Logo BrazilLAB Logo BrazilLAB
África Saúde Tecnologia

Em resumo

A prevalência de infecção por HIV dentre zambianos - em 2013, 1,1 milhões estavam vivendo com a doença - exige um número de iniciativas coordenadas para conseguir uma redução. Uma dessas iniciativas é o Projeto Mwana, da UNICEF, que utiliza telefones móveis para ajudar a melhorar o tratamento de bebês infectados com HIV.

O Desafio

A Zâmbia foi fortemente afetada pela epidemia de HIV, com uma estimativa de 13,5% da população geral infectada com HIV, de acordo com um estudo pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS, em 2009. Mulheres têm maior probabilidade de serem afetadas, e a transmissão de HIV de mãe para filho é a causa de 10% de novas infecções.

Bebês expostos precisam de um tipo especial de teste de detecção de HIV. Devido a recursos humanos e infraestrutura limitados, transportar os resultados iniciais de testes diagnósticos de bebês para uma unidade de saúde era sujeito a atraso ou não chegada. Isto, por sua vez, atrasava o início da terapia antirretroviral para bebês HIV positivos, reduzindo de forma significativa suas chances de sobrevida.

A Iniciativa

O Ministério da Saúde zambiano convidou a UNICEF a projetar uma solução para o problema. [1] Eles responderam com o Projeto Mwana, uma iniciativa de saúde móvel que utilizava tecnologias móveis para [2]:

  • Reduzir o atraso na transferência de resultados de testes, melhorando assim as chances das crianças de terem uma vida saudável, utilizando mensagens de texto no lugar do serviço postal.
  • Melhorar o acompanhamento pós-natal, aumentando o número de registros de nascimento para nascimentos clínicos e comunitários, enquanto também aumentando o número de visitas pós-natais das mães a clínicas de saúde comunitárias para exames de imunização regulares.
  • O governo zambiano então se comprometeu a encarregar-se de aumentar o sistema para o nível nacional. Eles esperavam cobrir, até o ano de 2014, todas as unidades de saúde atualmente oferecendo testes de HIV para bebês.

O Impacto Público

Houve um impacto social positivo:

  • O Projeto Mwana foi implementado em um total de 484 unidades de saúde.
  • Ele reduziu o tempo de resposta - da coleta da amostra no laboratório até a devolução dos resultados de testes para a unidade de saúde originadora - em mais de 50% (de uma média de 66 dias para 30 dias).
  • O sucesso da solução criou um nível de confiança dentro da comunidade que foi essencial para resolver um problema muito mais difícil - ajudar os profissionais da saúde comunitários a entender o diagnóstico, comunicá-lo às mães de forma eficaz, colocar os bebês em tratamento e relatar de volta para o Ministério da Saúde. [3]

Resta saber, entretanto, se o projeto levou a uma redução significativa no número de mortes de bebês relacionadas ao HIV na Zâmbia. Mas o uso de uma solução técnica avançada é apropriado para a Zâmbia com seu agora crescente setor de tecnologia.

O que funcionou
e o que não funcionou

Todos os casos no Observatório de Impacto Público do CPI foram avaliados quanto a desempenho com relação aos elementos dos Fundamentos de Impacto Público do CPI.

Legitimidade

Engajamento dos Stakeholders Ótimo

O Projeto Mwana foi sustentado por um número de parcerias, a central delas sendo entre a UNICEF e o Ministério da Saúde zambiano. Houve outras, também, todas experientes em lidar com projetos de saúde relacionados a HIV, incluindo o Centro da Zâmbia para Pesquisa e Desenvolvimento Aplicados a Saúde (ZCHARD - Zambia Centre for Applied Health Research and Development), uma afiliada da Universidade de Boston e ONGs locais; a Parceria de Prevenção, Cuidado e Tratamento da Zâmbia (ZPCT - Zambia Prevention, Care and Treatment Partnership) e a Iniciativa de Acesso à Saúde de Clinton (CHAI - Clinton Health Access Initiative). Esses stakeholders foram bem coordenados:

  • Desde a origem do projeto, a UNICEF forneceu ao Ministério da Saúde a visão estratégica e o suporte necessários para desenvolver e manter o projeto.
  • Neste estudo de caso de projeto, a UNICEF declara que "apesar do envolvimento da UNICEF e do compromisso do Governo Zambiano com soluções inovadoras, o desenvolvimento, projeto, implantação de piloto e avaliação do Projeto Mwana foram possibilitados apenas pelo envolvimento em parcerias, e ao tirar vantagem das diferentes capacidades e recursos dos parceiros em cada etapa do processo. As parcerias, portanto, desempenharam um papel central em fornecer a experiência técnica, conhecimento local, e divulgação necessários." [4]
Compromisso Político Ótimo

Conforme declarado acima, as principais formas de financiamento e implementação foram a UNICEF e o Ministério da Saúde Zambiano, que foi um departamento governamental central, altamente comprometido com o projeto.

Confiança Pública Fraco

Entretanto, houve muita pouca confiança pública no Ministério da Saúde Zambiano, devido a grave corrupção dentro do ministério:

  • Os governos da Suécia e da Holanda anunciaram que suspenderam auxílio após um denunciante ter alertado a Comissão Anticorrupção (ACC - Anti-Corruption Commission) da Zâmbia sobre o desfalque de mais de US$2 milhões do ministro da saúde por funcionários de alto escalão do governo. [5] Eles expressaram sua preocupação sobre esta corrupção:
    • "Nós queremos que o governo seja o líder, mas percebemos que existem riscos", disse Eva Nathanson da Embaixada da Suécia em Lusaka. "Estamos constantemente lembrando-os disso. Nenhum de nós pode se dar ao luxo de outro escândalo."
    • "O mau uso do dinheiro dos contribuintes holandeses é inaceitável," disse o Ministro de Cooperação de Desenvolvimento, Bert Koenders, em uma declaração, adicionando que o auxílio holandês seria suspenso até que a ACC e o Auditor Geral da Zâmbia liberassem os achados de suas investigações.
  • A repercussão do caso de corrupção no Ministério de Saúde Zambiano expôs os difíceis dilemas que os doadores enfrentam ao implementar políticas de tolerância zero sobre corrupção, especialmente no setor da saúde, onde vidas podem depender de um financiamento constante.

Política

Objetivos Claros Ótimo

Os objetivos do projeto foram declarados de forma clara na proposta da UNICEF no início. Eles abordavam os problemas de frente e a UNICEF manteve a visão da política durante todo o projeto, resultando em um escalonamento do projeto com os mesmos objetivos.

Evidências Ótimo

O projeto teve como base evidências de um número de pilotos, e das múltiplas partes interessadas, utilizando os resultados para refinar sua abordagem:

  • O piloto foi realizado em 31 clínicas em seis províncias pelo país e retransmitiu mais de 3.000 resultados de testes de HIV em bebês.
  • A UNICEF abordou a ZCAHRD para liderar o monitoramento e avaliação do projeto para demonstrar a eficácia e potencial impacto do piloto. A ZCAHRD conduziu um estudo de 10 locais durante um período de quase oito meses de implementação, fornecendo as evidências necessárias para demonstrar o sucesso do piloto. O estudo da ZCAHRD mostrou que o Projeto Mwana reduziu o tempo de resposta para transmissão de resultados de teste em mais de 50%.
  • McKinsey & Company apoiaram a UNICEF em uma base pro bono na definição da declaração do problema e ‘exercício de visualização’. A empresa também ajudou a UNICEF durante o processo de modelagem e mentoria.

A UNICEF também firmou parceria com a frog™, uma empresa de tecnologia que designou uma equipe pro bono para apoiar o projeto e avaliar sua abordagem técnica.

Viabilidade Ótimo

O projeto foi desenhado para funcionar mesmo em áreas rurais sem uma rede móvel. Dada a infraestrutura limitada, e a infraestrutura de transporte inconstante, a tecnologia de saúde móvel foi selecionada como o melhor e mais viável meio de entrega de relatórios de saúde.

A preparação de escalonamento focou em tornar a infraestrutura mais robusta para permitir que o sistema lide com os estresses da expansão. Apenas um servidor, localizado na sede do Ministério da Saúde em Lusaka, foi exigido para a implementação do sistema.

Construir um sistema com base em SMS envolveu alguns custos fixos iniciais (por exemplo, para treinamento, um servidor e supervisão), mas houve economias claras a serem feitas em comparação à comunicação física, com base em correio, de dados médicos.

Ação

Gestão Ótimo

Ter parceiros especialistas competentes e agências interessadas que entendiam o conceito de entrega muito bem foi central para o projeto. A estrutura de gestão foi forte neste projeto, sendo implementada pelo Ministério da Saúde Zambiano com o apoio da UNICEF e seus parceiros colaboradores. A ZPCT, por exemplo, possuía a experiência de campo e divulgação que permitiu que a gestão do projeto evitasse criar estruturas e sistemas paralelos e apoiasse a integração de programas em níveis de distrito e unidade.

No nível nacional, houve um gerente de projeto dedicado, com as habilidades técnicas e de parceria necessárias que desempenhou um papel central em garantir o sucesso do projeto.

Medição Ótimo

Há evidências de um mecanismo e estrutura adequados para monitorar e avaliar o piloto e escalonar o projeto:

  • A ZCAHRD tomou a liderança no desenvolvimento de um mecanismo para medição do projeto para avaliar a eficácia e impacto do piloto.
  • Dados sobre tempos de resposta foram coletados mensalmente do registro do projeto em cada unidade de estudo e inseridos em um banco de dados.
Alinhamento Ótimo

Os desafios do projeto incluíram a propriedade do projeto antes do início e o número de parceiros externos, que criou alguns problemas de coordenação iniciais, apesar de terem sido resolvidos eventualmente. Os atores foram todos proativos e esforços foram feitos para garantir que estivessem bem equipados para implementar o projeto:

  • Houve apenas um órgão coordenador, um grupo de trabalho técnico de saúde móvel liderado pelo Ministério da Saúde.
  • Ocorreram seis meses de diálogo entre a frog™ e a UNICEF para identificar áreas de interesse e colaboração mútuas, definir princípios de parceria e estabelecer objetivos comuns.
  • Uma oficina de um dia reuniu as principais partes interessadas de programação de saúde pública e implementadores de saúde móvel para construir alinhamento.
  • Os parceiros tiveram reuniões frequentes para definir estratégias, e pelo menos dois membros de equipe de cada unidade de estudo estiveram presentes em uma sessão de treinamento de meio dia (uma apresentação do programa zambiano existente para o diagnóstico precoce de infecção por HIV em bebês) e instruções sobre a utilização do sistema com base em SMS para recuperar resultados de testes.

TECNOLOGIAS MÓVEIS PARA SAÚDE NA ZÂMBIA

Panorama de resultados

Ótimo
Bom
Razoável
Fraco

Este estudo de caso foi originalmente publicado em inglês no "The Public Impact Observatory" do Centre for Public Impact (CPI).Outras publicações podem ser acessadas em: Centre for Public Impact.

Bibliografia

Key donors to reinstate health funding to Zambia, Ann Danaiya Usher, 8 de agosto de 2015, The Lancet, Volume 386, No. 9993, p519-520.

Health funding frozen after corruption alleged, IRIN, 27 de maio de 2009.

Project Mwana: Using mobile technology to improve early infant diagnosis of HIV, UNICEF Zâmbia.

Zambia 'Project Mwana: Using mobile phones to improve early infant HIV diagnostic services, UNICEF.