Logo BrazilLAB Logo BrazilLAB
GovTech BrazilLAB JOTA Insper B2G Transformação Digital Covid-19

Webinar JOTA - Insper: Pandemia acelera processo de digitalização de serviços públicos; com Letícia Piccolotto

19/06/2020

Letícia Piccolotto, fundadora do BrazilLAB, participou do webinar JOTA/Insper e abordou sobre os avanços da transformação tecnológica ao longo da pandemia

No última dia 18/6, Letícia Piccolotto, fundadora do BrazilLAB, participou do Webinar "Brasil GovTech: como a pandemia está impactando a digitalização de serviços públicos?", uma iniciativa promovida pelo JOTA e pelo Centro de Gestão e Políticas Públicas do Insper.

Acompanhe agora os principais destaques dessa conversa!

Setor público precisa se inovar, mas esse processo é muito mais difícil no contexto governamental. Assim, atuação das GovTechs é fundamental!

Se a inovação é parte fundamental da academia e do setor privado, o mesmo processo não está presente de forma automática no setor público. Isso acontece por diversos fatores, seja pelas disfunções da burocracia, pela dinâmica de poderes e a preocupação com os mecanismos de controle.

Sendo assim, a disrupção pode acontecer de dentro para fora e as GovTechs são importante aliadas para isso: são startups que podem trazer soluções inovadores e tecnológicas para enfrentar os diferentes desafios enfrentados por governos municipais, estaduais e também o federal.

Acreditando no poder da força empreendedora, Letícia Piccolotto fundou, há 4 anos, o BrazilLAB: um hub de inovação e tecnologia para governos que acelera soluções e conecta startups e o Poder Público.

 

Relação público-privado pode ser um caminho virtuoso para ampliar a inovação e fortalecer o impacto positivo já desempenhado pelo setor público

Nos últimos anos, o Brasil enfrentou vários desafios relacionados à corrupção de agentes públicos e privados, mas a relação entre esses grupos pode acontecer de forma saudável, transparente e virtuosa.

Especificamente considerando a atuação das startups, é possível dizer que é um dos ecossistemas que mais tem crescido. Há mais de 13 mil startups atuando nas mais diversas áreas e, por que não direcionar a atuação dessas organizações para construir soluções que apoiem a enfrentar os principais desafios do setor público?

É verdade que esse processo não é fácil. Há muitos requisitos e complexidades, e a resiliência deve ser uma constante. Mas os riscos e desafios são muito menores do que a possibilidade de influenciar positivamente a sociedade: os governos são os principais atores quando se fala em possibilidade de impacto e de escala das soluções.

 

Para promover uma inovação colaborativa, é preciso reduzir as assimetrias de informação entre setores público e privado 

Há uma assimetria de informação entre os dois lados dessa relação. Governos não percebem que as startups podem trazer soluções aplicáveis aos seus desafios. Por outro lado, o setor privado é relutante em firmar parcerias com governos.

Grande parte da atuação do BrazilLAB está voltada para diminuir essa distância e rever esses conceitos, quase sempre distorcidos. Para isso, foram criadas soluções com o Programa de Aceleração, que apoia startups e suas soluções para que estejam preparadas para contratar com o setor público, e o Selo GovTech, um marketplace que permite a conexão direta entre gestores e desafios públicos, com empreendedores e suas soluções inovadoras e de base tecnológica.

 

Pandemia acelerou a transformação digital dos governos. Mas ainda há um longo caminho a percorrer

A pandemia de coronavírus acelerou diversos aspectos da transformação digital. Por exemplo, tornou possível a incorporação de home office, atendimentos via telemedicina, assim como o desenvolvimento de soluções educacionais que permitissem a continuação das aulas à distância.

Esses avanços são efeitos colaterais positivos e não esperados, mas ainda há desafios a enfrentar, especialmente relacionados à redução das desigualdades de acesso à internet, a incorporação em áreas estratégicas, como meio ambiente, diminuir as restrições de uso relacionadas às necessidades geracionais e, principalmente, garantir o uso de dados de maneira estratégia e transparente. Sobretudo, é preciso garantir que a tecnologia não permite o surgimento da e-burocracia: a perpetuação de processos ineficientes do setor público, mas em meio digital.

Para assegurar o desenvolvimento de startups GovTechs é preciso também diversificar e ampliar os investimentos, modalidades e processos para incorporar o trabalho dessas organizações no contexto do setor público.

 

O que está no horizonte: constância, responsabilidade ética e olhar para o futuro

Segundo Letícia Piccolotto, somos a geração que definirá as bases para o uso constante, responsável e ético das tecnologias. O que definirmos a partir de agora será o verdadeiro legado para o futuro.

Para isso, a agenda GovTech precisa ser menos técnica e cada vez mais absorvida e debatida pelas pessoas, já que ela afeta temas que são tão presentes e relevantes para cada um de nós.

Isso também vale para o papel do governo, que deve estar marcado por quatro principais características: foco no cidadão, pluralidade, eficiência e olhar para o futuro.

Assista ao Webinar na íntegra:

Veja Também:

Programa de Aceleração Inscreva-se para o Webinário de Lançamento da Força-Tarefa Covid-19 do BrazilLAB

Inscreva-se para o Webinário de Lançamento da Força-Tarefa Covid-19 do BrazilLAB

No próximo dia 10 de julho, o BrazilLAB lançará a Força-Tarefa Covid-19 em um Webinário com a presença de Letícia Piccolotto, Geórgia Pessoa e Vivianne Naigeborin; participe!

Inovação no Setor Público

"Só sairemos disso juntos": a filosofia da UniverSaúde para enfrentar a pandemia

Priorizando a colaboração, a startup acelerada pelo BrazilLAB tem conquistado visibilidade com iniciativas de enfrentamento ao novo coronavírus. Conheça os detalhes dessa história

Inovação no Setor Público GovTech Index 2020: Brasil ocupa a quarta posição em Índice Iberoamericano sobre Govtech

GovTech Index 2020: Brasil ocupa a quarta posição em Índice Iberoamericano sobre Govtech

Trata-se do primeiro índice que avalia uso de soluções digitais no setor público e o grau de amadurecimento dos empreendimentos innovadores que agregam valor à gestão dos governos