PT EN
brazillab b2g inscrições resultado Governo Equilíbrio fiscal Comunicação Agricultura Urbana

Aumento de 84% de inscritos esse ano demonstra claramente a força da pauta empreendedorismo e Governo.

20/07/2017

Confira a entrevista completa com a nossa founder, Letícia Piccolotto Ferreira, sobre os resultados da 2ª edição do BrazilLAB.

[Evento de lançamento dos challenges no Campus SP]

Equipe Lab – O processo de inscrições se encerrou na primeira semana do mês, dia 05/07. Qual foi o balanço desse ano? Quais foram os principais resultados?

LPF – Esse ano focamos muito em divulgar a importância da nossa pauta que é trabalhar inovação dentro dos municípios, conectando empreendedores com o poder público e ajudando no desenho de estratégias para Governos (o famoso B2G). Realizamos então diversos eventos de divulgação do Lab e dos challenges 2017 em diferentes Estados, como Minas Gerais, Rio de Janeiro, Distrito Federal, além de São Paulo. Foram mais de 20 eventos, mais de 15 parceiros mobilizados e um total de 1.000 pessoas impactadas. Gastamos muita sola de sapato para levar a nossa mensagem e a oportunidade do nosso programa para um número maior de empreendedores.

Essa estratégia gerou resultados concretos. Recebemos no total 252 projetos, um aumento de 84% em relação a 2016. Esse aumento demostra claramente a força da pauta empreendedorismo e Governo. Ficamos extremamente satisfeitos com os resultados.

 

Equipe Lab – Além da quantidade de projetos inscritos, quais outros resultados já foram apurados em relação ao processo desse ano?

LPF – Além do aumento no número de projetos inscritos, pudemos observar uma alteração em relação ao estágio das soluções. Em 2016 , recebemos mais de 70% dos projetos em estágio inicial, ou seja - early stage - projetos que ainda eram ideias sem MVPs ou protótipos desenvolvidos. Esse ano foi o contrário. Tivemos 78% dos inscritos já em estágio de protótipo ou com a solução rodando e apenas 22% em estágio inicial. Além disso, mantivemos uma boa representatividade, pois recebemos projetos de mais de 19 Estados brasileiros e um projeto internacional da Califórnia.

 

Equipe Lab – Como o BrazilLAB conseguiu ter esse alcance e garantir que empreendedores do Brasil todo se inscrevesse no processo de aceleração?

LPF – Eu sempre digo que o BrazilLAB não é um projeto ou não é um sonho que se sonha sozinho. Estamos falando de levar inovação e empreendedorismo para dentro do Governo. O sonho é muito grande e para fazer isso precisamos contar com muitos parceiros. O alcance que tivemos esse ano só foi possível, pois mobilizamos e contamos com toda nossa rede de parceiros, mentores e voluntários. Realizamos uma série de eventos em parceria e procuramos conectar a nossa pauta com iniciativas e estratégias semelhantes já existentes. Eu acredito muito que temos que somar esforços. É um momento muito crítico para o Brasil, mas ao mesmo tempo cheio de oportunidades. Se somarmos esforços, vamos alcançar resultados muito maiores e muito mais rápidos.

Além disso, construímos uma super campanha nas redes sociais e no nosso site que também gerou resultados. Hoje somados temos mais de 10.000 usuários em nossos canais e acessos de 300 cidades, em todos os estados brasileiros e 43 países diferentes.

 

Equipe Lab – Como foi trabalhar temas diferentes e tão específicos como os propostos esse ano pelo BrazilLAB?

LPF - No início foi um super desafio. Falar de Equilíbrio Fiscal e mobilizar as fintechs para essa pauta parecia uma loucura. A mesma coisa quando falamos de Agricultura Urbana e da importância de repensar e rediscutir os canais de Comunicação para o maior engajamento cívico. A nossa estratégia foi tentar apresentar aos empreendedores dessas áreas oportunidades reais junto aos Governos, com dados, casos concretos e muita informação. Em relação a equilíbrio fiscal, falei muito para os empreendedores que trabalham com crédito ou com a pauta de gestão da oportunidade junto ao Governo. Hoje o volume de crédito consignado para servidores de todos os entes é de aproximadamente R$ 16 bilhões. Além disso, mais de 60% dos municípios terceirizam a sua contabilidade por exemplo. Enfim, apresentamos oportunidades para que os empreendedores pudessem pensar na possibilidade de atuarem junto ao poder público. Durante o programa de aceleração é justamente esse modelo (a estratégia B2G) que eles vão desenhar conosco.

 

Equipe Lab – Quais são as novidades do programa de aceleração de 2017?

 LPF - Esse ano estamos de casa nova. Todo o programa de aceleração acontecerá no Campus São Paulo, espaço viabilizado pelo Google. Além disso, reforçamos muito a mentoria jurídica e fechamos um módulo inteiro para esse tema. Também, em parceria com a plataforma Broota, lançamos o primeiro fundo no Brasil 100% dedicado a investimentos para startups com soluções para governos – o GovTechBrasil.

Manteremos as visitas aos equipamentos públicos - o field day - mas esse ano teremos uma surpresa que só em breve poderei contar e teremos muitos mentores especialistas nos temas dos challenges ajudando os empreendedores. Esse é um outro ponto que vale a pena reforçar. Com os novos challenges ampliamos a nossa rede de mentores. Temos agora grandes especialistas em agricultura urbana, mercado financeiro e comunicação nos ajudando. Todas as atividades da nossa aceleração serão ainda mais mão na massa.

Além disso, esse ano teremos três possíveis ganhadores que terão um investimento de até R$ 50 mil reiais e o que ficar em primeiro lugar ganhará um curso de duas semanas no Vale do Silício na Draper University.

 

Equipe Lab – Quais são ainda os desafios e próximos passos?

 LPF – O desafio que estamos vivendo desde o lançamento do BrazilLAB – em março/2016 – é falar de uma agenda positiva e propositiva para o país em um momento que infelizmente estamos sendo bombardeados com tantas notícias ruins. Vejo que esse é um desafio e ao mesmo tempo uma grande oportunidade. Uma hora vamos ter que parar de falar sobre o Brasil que não funciona e pensar no Brasil que funciona e no país que de fato queremos construir para os nossos filhos e para as próximas gerações. Mais do que pensar, fazer. Fico extremamente feliz de ver quantas pessoas conseguimos mobilizar em torno da nossa pauta. Amigos, parceiros, patrocinadores. O BrazilLAB também é uma startup. Há 18 meses atrás o projeto era um desenho em um power point. Hoje já finalizamos a nossa 2ª. edição – somadas as duas edições mais de 400 empreendedores aplicaram para o BrazilLAB – e os três empreendedores que venceram a edição passada já estão testando as suas soluções em municípios: um na área de Educação, o outro na área da Saúde. Esses resultados nos motivam para continuarmos seguindo, com foco em superar os desafios.

Quanto aos próximos passos, agora estamos focados internamente no processo de seleção e até dia 11/08 divulgaremos a lista dos empreendedores que participarão da Banca de Seleção que ocorrerá dia 17/08. No final de agosto, iniciamos a aceleração. Todas as datas e atividades podem ser acompanhadas nos nossos canais, facebook, site, eventos, newsletter, entre outros. Os empreendedores que não se inscreveram ou que não foram selecionados para o programa desse ano, podem participar dos eventos abertos. Como eu disse anteriormente, esse não é um sonho que se sonha sozinho. Qualquer um pode ajudar e participar. 

 

Veja Também:

Por dentro do Demoday 2017: o evento, as lições e os grandes vencedores do prêmio.

Na manhã do dia 06 de dezembro, foi realizada a segunda edição do evento que sintetiza a vocação do BrazilLab. No Demoday, o empreendedorismo é aliado a políticas públicas em uma premiação que serve de ponto de partida para inovações práticas e de real impacto na sociedade.

Confira os selecionados para o Demoday de 2017

Nessa quarta-feira (06/12), o BrazilLAB realizará o Demoday com os empreendedores finalistas com uma banca de avaliação de prefeitos e gestores públicos. Na abertura do evento, contaremos com o Bernardinho, ex técnico da seleção brasileira de vôlei.

O governo como plataforma aberta

Ronaldo Lemos cita BrazilLAB em Artigo na Folha - A infraestrutura para transformar as cidades em "inteligentes" já está entre nós.