BrazilLAB: A tecnologia vai mudar a forma como o poder público encara as inovações - BrazilLAB
PT EN
INOVAçãO TECNOLOGIA GOVERNO

BrazilLAB: A tecnologia vai mudar a forma como o poder público encara as inovações

02/07/2016

Durante debate sobre o empreendedorismo e a gestão pública, os convidados defenderam a tese de que, cada vez mais, os governantes terão que aceitar a implementação de novidades tecnológicas

felipe

Durante debate sobre o empreendedorismo e a gestão pública, os convidados defenderam a tese de que, cada vez mais, os governantes terão que aceitar a implementação de novidades tecnológicas

As inovações tecnológicas terão espaço cada vez maior na agend a das administrações públicas. A conclusão é dos convidados que participaram nesta quarta-feira (29/06) do painel “Inovação, Tecnologia e Governo”, promovido pelo BrazilLAB.

Para o head de digital do grupo ABC, Bob Wolheim, o mundo vive hoje um período muito peculiar com a entrada de uma nova era em que a informação é o grande mote. "O que vai mudar é a tecnologia. Está havendo uma digitalização do mundo hoje. E isso é bom", disse Wolheim.

Nesta nova realidade, mais dinâmica e ágil, em que a tecnologia se faz cada vez mais presente, o governante que quiser ter sucesso terá de ser mais flexível para adotar soluções capazes de mudar a vida da população em todas as áreas, incluindo saúde, educação e sustentabilidade ambiental, os challenges propostos pelo BrazilLAB.

O mundo tecnológico é muito mais objetivo, e não permite que subjetividades e diferentes interpretações abram brechas para uma tomada diferente de rumos. Os governos que não se adaptarem a esse novo momento vão naturalmente acabar ficando para trás, vendo o rolo compressor passando por cima.

Entusiasta desta nova era tecnológica, o co-criador do site Votenaweb Fernando Barreto diz que a sociedade precisa tomar frente e começar a debater seus problemas e não deixar apenas nas mão dos políticos. Neste mundo em constante mudança, em que governantes ainda mostram resistência a alguma inovações, Barreto diz que o maior agente transformador da realidade é o próprio cidadão.

Como exemplo desta nova realidade, o COO da Microsoft Participações, Franklin Luzes, que se apresentou ao final do debate, citou as cidades inteligentes. Ele as classifica como ‘Digitais’, em que a intensa troca de dados facilita a execução dos serviços públicos; as ‘Sustentáveis’, que através da tecnologia conseguem realizar o acompanhamento de possíveis desperdícios e acidentes prejudiciais ao meio-ambiente; e as ‘Seguras’, em que o monitoramento tecnológico de ruas e estabelecimentos públicos só vem para melhorar a qualidade da segurança pública das cidades em que o problema é grande. “Fazer um mundo melhor. Deveríamos pensar nisso”, diz Franklin.

Veja Também:

Inovação e empreendedorismo no setor público são temas de evento gratuito do BrazilLAB

Realizado pelo BrazilLAB, encontro reunirá startups, governo e academia no Google Campus

O que vem por aí? As propostas de candidatos à presidência que se apresentaram no GovTech Brasil

No encerramento da convenção, cinco presidenciáveis subiram ao palco para compartilhar suas visões sobre inovação no setor público. Confira aqui um resumo de cada um

GovTech Brasil: de acordo com especialistas, a inovação na segurança pública é “para ontem”

Especialistas reuniram-se em São Paulo para debater desafios e soluções para a área. Veja agora os destaques desse encontro