Como a tecnologia Blockchain pode melhorar a eficiência dos governos - BrazilLAB
PT EN
blockchain GovTech GovLab Block-change setor público inovação governo

Como a tecnologia Blockchain pode melhorar a eficiência dos governos

03/05/2018

Nem só de polêmicas e especulações vive o blockchain. Um grupo de especialistas reuniu-se para colocar o potencial transformador da tecnologia a favor de serviços públicos mais eficientes e transparentes.

A tecnologia de blockchain vem sendo alvo de muitas polêmicas. Conceito aplicado à cadeia de blocos distribuídos e compartilhados para gerar um índice global de transações, o blockchain nasceu em meados de 2009 com a tentativa de se criar uma moeda única — justamente o bitcoin, tão celebrado quanto temido. A criptomoeda já foi tida como a maior inovação dos últimos tempos, mas flutuações de preço e eventuais riscos ainda causam muitas dúvidas em investidores.

Deixando de lado essas especulações, existe um aspecto do blockchain que ainda não é muito conhecido: o do impacto social. Até porque um dos pontos fortes da tecnologia é a confiança, uma vez que ela tem, como alicerces, o peer-to-peer (não há intermediários nas transações, o que traz mais transparência), o Proof-of-Work (ou “Prova de esforço”, conceito que praticamente inviabiliza a alteração ou adulteração de transações) e o Consenso (o maior encadeamento de transações indica o consenso entre os usuários da rede).

 

Saem as polêmicas, entra a transformação social

Foi a partir desses alicerces que surgiu o Block-change, iniciativa da organização norte-americana GovLab para colocar o potencial do blockchain a serviço da transformação social, fornecendo ao poder público informações e ferramentas que melhorem os serviços prestados.

O principal objetivo é abrir novos caminhos para a transparência e a prestação de contas, além de ampliar a qualidade dos serviços públicos em diversas formas – incluindo o estabelecimento de identidades digitais confiáveis.

Para isso, o trabalho será realizado em etapas. A primeira delas envolve testar a hipótese de que, ao aplicarmos atributos de blockchain à gestão de identidade, uma espécie de RG digital confiável pode ser criada. E, caso seja validada, essa hipótese trará inúmeros benefícios, como:

  • Documentos válidos para aproximadamente 1,1 bilhão de pessoas que, atualmente, são incapazes de provar suas identidades para autoridades e outras organizações, o que as priva de direitos básicos, como à propriedade e ir e vir;
  • Identidades para 1,3 milhões de refugiados que estão tentando se realocar ao redor do mundo, mas que não podem ser identificados;
  • Documentos para todas as mulheres e meninas que lutam para obtê-los, geralmente esbarrando em dificuldades relacionadas a: liberdade para viajar, distâncias, custos financeiros, limitações de tempo, analfabetismo, falta de informações e falta de suporte de familiares.

E para obter esses benefícios, o Block-change inicialmente atuará nos seguintes campos:

  • Mapeamento e taxonomia das tecnologias de blockchain que procurem fornecer identidade;
  • Desenvolvimento de uma cartilha com os potenciais e os desafios das tecnologias de blockchain em relação ao ciclo de vida da identidade (como criação, verificação, autenticação e autorização);
  • Mapeamento do uso atual de identidades fornecidas por meio de blockchain para uma variedade de benefícios sociais, utilizando-se de estudos de caso;
  • Co-criação de um conjunto de princípios de desenvolvimento (com base em evidências) que possam orientar o uso futuro de blockchain para a transformação social.

Em última instância, o Block-change pretende provar que o blockchain apresenta um potencial disruptivo que vai muito além da inovação em produtos, serviços e sistemas de operação das empresas.

Ao oferecer maior transparência de forma capilarizada, a tecnologia pode, também — e principalmente — transformar a vida de quem mais precisa. É a prova de que a inovação é capaz de tornar a gestão pública mais aberta, mais efetiva e mais próxima dos cidadãos. Por isso, o BrazilLAB celebra e repercute a iniciativa.

Veja Também:

Singapura pode se tornar a cidade mais inteligente do mundo

Uma das menores nações do planeta está usando a tecnologia para melhorar a vida dos cidadãos. Que tal seguirmos esse exemplo? O BrazilLAB quer contribuir para a adaptação de modelos e a criação de soluções específicas para a nossa realidade.

Lições do Uruguai: conheça José Clastornik, presença confirmada na 1ª edição do evento GovTech.

O atual diretor da Agesic – Agência do Governo Eletrônico e da Sociedade da Informação e do Conhecimento – vem ao Brasil para falar sobre como o Uruguai se tornou o primeiro país digital da América Latina.

Como a tecnologia revolucionou o desenvolvimento social do Chile

A chilena Heidi Berner, palestrante do evento GovTech, vem ao Brasil contar sobre a experiência de introduzir tecnologia para a seleção e gestão de programas sociais.