Cultura de startup no governo e insights de GovTech: veja os destaques do STACK 2018, realizado em Singapura - BrazilLAB
PT EN
Logo BrazilLAB
GovTech startup Singapura STACK 2018

Cultura de startup no governo e insights de GovTech: veja os destaques do STACK 2018, realizado em Singapura

04/12/2018

Autoridades apresentaram algumas das ações e estratégias que estão transformando o país em uma nação inteligente (Smart Nation)

Conforme a tecnologia da informação evolui, os governos precisam repensar suas infraestruturas digitais. A afirmação é de Chan Cheow, CIO (Chief Information Officer) do Governo de Singapura, que se apresentou na abertura da Conferência de Desenvolvedores STACK 2018, evento que é referência global em GovTech. Na apresentação, Cheow contou como, em vez de construir sistemas “monolíticos” difíceis de se manter, o governo local está adotando uma estratégia “comece pequeno e escale” para desenvolver serviços digitais.

Como early adopter de TI, o governo de Singapura foi capaz de construir sólidas capacidades digitais ao longo dos anos. No entanto, à medida que amadurecem inovações como computação em nuvem, surgiram oportunidades para que os gestores redefinam a infraestrutura digital de modo a oferecer serviços melhores aos cidadãos.

 

Saem os sistemas complexos, entram os “microsserviços”

“Por um longo período, o governo focou em fazer coisas cada vez maiores, de tal forma que alguns sistemas digitais tornaram-se tão complexos que ninguém é capaz de mantê-los,” afirmou o CIO. Essa complexidade não só compromete a experiência dos usuários ao interagirem com o governo, mas também traz riscos, já que, em sistemas assim, medidas de segurança precisam ser tomadas com frequência muito maior.

“Nós percebemos que a melhor forma de avançar é criando ‘microsserviços’”, explicou Chan Cheow, referindo-se ao uso de arquitetura modular no desenvolvimento de serviços digitais. Então, em vez de ter um único e imenso pacote de códigos que realize inúmeras funções, pode-se ter pacotes menores e múltiplos, cada um dedicado a uma tarefa específica. Por exemplo, um “microsserviço” poderia especificar um botão clicável em uma tela, enquanto outro cuidaria de uploads de arquivos.

 

Estimulando o talento

Outro campo em que a cultura de startup provou-se eficaz para o governo de Singapura é o de talentos. Chan Cheow enfatizou que, diferentemente do passado, em que o governo terceirizava projetos de tecnologia, hoje há uma estrutura interna de engenheiros e cientistas de dados. Muitos deles estão alocados no GovTech Hive (colmeia), uma instalação modular que está localizada no coração do distrito de inovação de Singapura.

“Nós temos pessoas trabalhando em um ambiente em que elas podem realizar testes, co-criar, falhar rapidamente e aprender durante o processo,” afirmou o CIO, numa dinâmica que é profundamente inspirada na cultura das startups.

 

Os aprendizados do ministro

O Stack 2018 também recebeu Janil Puthucheary, ministro de GovTech de Singapura. Em sua apresentação, ele compartilhou insights ao longo de uma trajetória já sólida de inovação:

 

1 - Mistura de legado e metodologia ágil

A jornada de digitalização de Singapura começou há quarenta anos. É natural que vários componentes de TI do governam estejam ultrapassados; mas, para avançar, “não basta só descartar o velho e adotar o novo”, relatou Puthucheary.

“Nós temos, sim, um grande grupo de sistemas legados… mas isso permitiu que nos tornássemos o que somos hoje: conectados, integrados, com uma população digitalmente alfabetizada. Também nos deu confiança para nutrirmos esses grandes sonhos para o futuro,” explicou ele.

Assim, ele lembrou que foi importante reforçar sistemas que serviram bem à nação, aprender com os erros do passado e introduzir elementos de desenvolvimento ágil no fluxo de trabalho do governo.

 

2 - Ataque as “dores” certas

Enquanto a tecnologia pode ser usada para enfrentar uma série de desafios centrais da gestão pública, é igualmente crucial focar nos problemas rotineiros vividos pela população. Janil Puthucheary destacou o aplicativo Parking.sg, que substitui formulários para pagamento de estacionamento em locais públicos (a nossa Zona Azul).

Para ele, a solução é um bom exemplo de como projetos pequenos podem exercer um efeito altamente positivo. Com o aplicativo, as pessoas não precisam retornar ao carro para atualizar os formulários, caso fiquem mais tempo: basta fazê-lo pela plataforma.

“O impacto do Parking.sg na vida dos cidadãos de Singapura foi tão significante que todo mundo se lembra de quando foi lançado,” contou Puthucheary.

 

3 - Regulamentação da reengenharia

Boa parte da discussão em torno de serviços digitais fornecidos pelo governo tem, como tema, a reengenharia de processos de back-end e de infraestrutura de TI. O ministro de GovTech de Singapura notou que uma política de regulação dessa reengenharia também é necessária.

“Como resultado de ter que criar um código para um serviço, você também vai ter que modificar políticas e processos governamentais,” afirmou. “Em vez de agarrar-se a regras que impeçam futuras inovações na era digital, o governo de Singapura busca evoluir suas políticas de modo a responder às demandas do presente e pavimentar o caminho para o futuro,” concluiu Janil Puthucheary.

Veja Também:

Cidades Inteligentes Londres, Copenhague e Cingapura. O que faz dessas e mais outras sete cidades as mais inteligentes do mundo?

Londres, Copenhague e Cingapura. O que faz dessas e mais outras sete cidades as mais inteligentes do mundo?

Estudo do IESE Cities in Motion Index 2019 se utilizou de 9 categorias para ranquear os níveis de desenvolvimento de cidades ao redor do globo.

‘Cidade em Jogo’: Conheça o game educacional brasileiro finalista em competição da OCDE

‘Cidade em Jogo’: Conheça o game educacional brasileiro finalista em competição da OCDE

Iniciativa “Cidade em Jogo”, da Fundação BRAVA, é uma das seis finalistas da Chamada de Cases Inovadores de Governo Aberto da organização internacional.

Cidades Inteligentes ‘CopiCola’: conheça o programa da Prefeitura de SP que disponibiliza guias de boas práticas para inovação no setor público

‘CopiCola’: conheça o programa da Prefeitura de SP que disponibiliza guias de boas práticas para inovação no setor público

A iniciativa da prefeitura disponibiliza os guias para implementação de programas inovadores por ela realizados, a fim de que outras cidades sigam seu exemplo