Logo BrazilLAB Logo BrazilLAB
Letícia Piccolotto GovTech

Govtech: Por que essa precisa ser uma das principais pautas dos próximos governantes

23/09/2018

Setor público do Brasil sofre com excesso de burocracia, pouca flexibilidade e processos muito lentos. Confira artigo de Letícia Piccolotto

*Artigo escrito pela founder do BrazilLAB, Letícia Piccolotto, publicado no HuffPost Brasil

Excesso de burocracia, pouca flexibilidade e processos demorados são características ainda muito presentes no setor público brasileiro. Modernizá-lo, tornando-o mais ágil e eficiente, será uma grande e necessária pauta para o próximo presidente e governadores.

Os dados mostram o tamanho do desafio. O Brasil ocupa hoje o 125º lugar no ranking do Banco Mundial que avalia a facilidade de se fazer negócios. É a pior posição entre os BRICs (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e os países do Mercosul.

O tempo médio para abertura de uma empresa é de 79 dias — na Estônia é possível abrir em 15 minutos — e os empresários gastam, por ano, R$ 60 bilhões e 1.958 horas de trabalho com a burocracia tributária. Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), as empresas têm ainda que seguir mais de 3.790 normas, o equivalente a 5,9 quilômetros de folhas impressas em papel formato A4.

Em agosto, foi realizado o primeiro grande evento do Brasil para falar de govtech, termo que define o uso de tecnologias aplicadas aos governos. Durante dois dias em São Paulo, o Govtech Brasil reuniu 36 especialistas nacionais e internacionais para discutir os caminhos para modernizar o setor público brasileiro. Unificar as informações sobre cidadãos em um único documento digital foi ponto consensual.

Na contramão das experiências internacionais bem-sucedidas, o País tem digitalizado um a um os documentos de identidade (CPF, CNH), mantendo assim apartadas, em diferentes bancos de dados, informações que, se unidas, poderiam desburocratizar o País — facilitando tanto o acesso dos cidadãos aos serviços públicos como o acesso dos servidores públicos a dados relevantes para uma atuação eficiente.

Os benefícios da convergência de documentos foram abordados sobretudo por Toomas Hendrik Ilves, presidente da Estônia entre 2006 e 2016, e José Clastornik, diretor da Agência de Governo Eletrônico e Sociedade da Informação do Uruguai. Os países estão entre os mais digitais do mundo. No mesmo sentido, foi lançado, durante o evento, o Mapa da Informação, plataforma digital que mapeia como os governos no Brasil organizam seus dados.

O GovTech Brasil também debateu as dificuldades da jornada das startups até o sucesso, a partir de experiências compartilhadas por Uri Levine, um dos fundadores do Waze. E a importância da digitalização em áreas estratégicas em que o Brasil patina, como saúde e segurança pública. O evento foi concluído com uma mesa com candidatos à Presidência. João Amoêdo, Marina Silva, Geraldo Alckmin, Guilherme Boulos e Henrique Meirelles falaram de seus projetos para usar a tecnologia a favor do País.

No discurso de todos os presidenciáveis, está a necessidade de modernizar nossa legislação para promover a inovação em larga escala. Hoje, as startups encontram muitas dificuldades para conseguir superar a burocracia, acessar licitações e implantarem suas soluções na rede pública.

Mas já temos algumas conquistas. A Lei da Inovação, promulgada em 2004 e revista em 2016, representou um avanço significativo ao abrir portas para que o setor público forme alianças que incentivem inovação e difusão de tecnologia com outros setores da sociedade como academia, empreendedores, empresas e centros de tecnologia.

No mesmo sentido, alguns governos estaduais vêm mostrando que estão dispostos a inovar. O Pitch Gov.SP (Estado de São Paulo), o Startup São José (São José dos Campos) e o Seed (Minas Gerais) são alguns exemplos de programas que conectam startups com o serviço público e incentivam o desenvolvimento de pesquisa e tecnologia em prol da sociedade.

Mas ainda temos um longo caminho a percorrer na aproximação de gestores públicos com empreendedores. Uma das formas é o trabalho de aceleradoras como o BrazilLAB, que ajudam as startups a pilotarem suas soluções nas redes públicas. Por meio dos programas de aceleração, as startups recebem apoio técnico jurídico e de gestão, além de aprender a lidar com a burocracia do setor público.

Do outro lado da mesa, com a promoção do networking, os gestores descobrem novas soluções que podem resolver problemas internos e externos em áreas como gestão de pessoas, inclusão social, saúde e prevenção, segurança pública e cybersecurity, meio ambiente e educação.

Para que os casos de sucesso evoluam para um ecossistema amplo de inovação, é preciso articulação entre os atores que podem abrir caminho para isso. O diálogo entre poderes Executivo e Legislativo, órgãos de controle, academia, ONGs e empreendedores é fundamental para que surjam legislações e ambientes capazes de proporcionar segurança e incentivo para a inovação com escala. É essa atuação em rede que alavancará a pauta govtech no Brasil.

Ganha a população, que passa a ter maior acesso a serviços de qualidade. Ganham os governos, vítimas de orçamentos estrangulados e poucos recursos, que encontram soluções para reduzir custos e ganhar eficiência. E ganha a sociedade como um todo, que pode encontrar espaço para participar da melhoria de políticas públicas. E, quem sabe assim, finalmente poderemos deixar para trás a defasagem dos serviços prestados à população.

*O HuffPost Brasil dedica as semanas que antecedem as eleições para se debruçar sobre temas fundamentais para o próximo governante e Parlamento eleitos. Convidamos players relevantes da sociedade civil e especialistas para pensar juntos os desafios do Brasil.

Veja Também:

Programa de Aceleração Conheça as 9 Startups e PMEs que seguem para a Banca Pitch da Força-Tarefa Covid-19

Conheça as 9 Startups e PMEs que seguem para a Banca Pitch da Força-Tarefa Covid-19

Próxima etapa da Aceleração acontecerá na quarta-feira (23/09) e definirá as Startups e PMEs finalistas para o DemoDay

Inovação no Setor Público BrazilLAB lança “BrazilLAB Talks” para debater a agenda de governo digital no país

BrazilLAB lança “BrazilLAB Talks” para debater a agenda de governo digital no país

Iniciativa inédita organizada pelo BrazilLAB vai promover debates com a participação de especialistas nacionais e internacionais sobre a agenda de inovação e tecnologia para a gestão pública no Brasil

Inovação no Setor Público Fundadora do BrazilLAB entra na lista dos 20 principais líderes GovTech de 2020

Fundadora do BrazilLAB entra na lista dos 20 principais líderes GovTech de 2020

Letícia Piccolotto entrou na lista elaborada pelo Creators que mapeia os líderes de destaque da pauta GovTech em todo o mundo