PT EN
Logo BrazilLAB
Inovação Tecnologia Setor Público Setor Privado Celio Bozola Obstáculos Inovativos

Inovação: as causas do descompasso entre os setores privado e público

27/08/2019

Tendo trabalhado com tecnologia tanto em empresas privadas quanto na administração pública, percebo obstáculos importantes para a transformação digital de governos. Mas acredito que seremos capazes de superá-los.

Nos últimos 25 anos, as chamadas TIC - Tecnologias da Informação e Comunicação - evoluíram muito. Todos nós fomos e estamos sendo impactados por importantes transformações decorrentes dessas inovações, seja como pessoa física/cidadão ou no ambiente de trabalho/empresarial. 

A onda de mudanças veio com a chegada e a evolução da internet, principalmente, e de outras tecnologias - algumas muito conhecidas, outras nem tanto. Cito algumas: padrões 3G, 4G e, brevemente, 5G na área das operadoras de telecom móveis; o significativo aumento de banda na internet fixa, através de conexões com fibra ótica; a grande evolução das funcionalidades dos aparelhos celulares; a tecnologia de computação em nuvem; inteligência artificial (IA); big data, internet das coisas (IOT), etc. Hoje, todas essas tecnologias estão disponíveis para serem usadas em novos modelos de negócios ou também para transformar negócios já em operação, e todas elas com custos bastante acessíveis. 

 

A revolução nas empresas

No setor privado, muita coisa está acontecendo, e de forma acelerada. Para comentar somente alguns casos, cito novas empresas que nasceram com um DNA totalmente calcado nessas tecnologias: Amazon, de comércio eletrônico e sua “irmã” de computação em nuvem (AWS – Amazon Web Services); Netflix, de streaming de vídeo; Uber, de gestão de táxi e outros serviços;  Airbnb, de gestão de propriedades para aluguel; Nubank, banco eletrônico; iFood, de entrega de refeições; Rappi, de entrega de quase tudo, e muitas outras. Iniciativas muito bem vindas, pois usaram tecnologias para melhor atender às necessidades dos seus clientes, oferecendo alternativas e preços competitivos. Assim, criaram “do zero” grandes negócios que estão prosperando de forma acelerada. 

Cito também empresas que usaram essas mesmas tecnologias para transformar seus negócios: diversos bancos de varejo e varejistas brasileiros são bons exemplos de que é possível fazer grandes transformações usando a tecnologia. Infelizmente, muitos não foram capazes de navegar nessa nova onda e ficaram para trás, sentindo o calor de concorrentes impactando nos seus resultados financeiros. Trata-se de uma característica inerente à livre concorrência. Em geral, o cidadão tem opções de escolha e decide por aquela que melhor atende aos seus interesses num determinado momento. E isso move as empresas a usarem essas novas tecnologias para se tornarem mais competitivas e prestarem melhores serviços.

 

Os obstáculos no setor público

E no caso de governos? Como tem sido a adoção de inovações tecnológicas? Bem, aqui, creio que todos saibam que os movimentos são mais lentos. De minha parte, tenho algumas explicações possíveis para essa morosidade. 

Primeiramente, cito o ciclo eleitoral, que não ajuda em uma visão de longo prazo. Os mandatários eleitos, por motivos no geral justificáveis, alteram as estratégias e prioridades e também as equipes dirigentes ao assumirem suas funções. Muitos não se preocupam com a performance e a produtividade da máquina pública; ou seja, não reestruturam e não definem métricas e objetivos para que a máquina de governo melhore sua performance ao longo do tempo. Tudo isso não ajuda a acelerar o passo das transformações.

Em segundo lugar, cito as dificuldades dos processos de compras/licitações, que são bastante burocráticos e não facilitam a introdução de inovações na gestão pública. 

Em terceiro lugar, e talvez o fator mais importante a atrapalhar a adoção de novas tecnologias nos serviços públicos, é a ausência do tema 'inovação' na agenda dos principais mandatários. O assunto costuma ser tratado pelo terceiro ou quarto escalões, e obviamente as transformações não ocorrem na velocidade desejada. No entanto, mais recentemente, alguns gestores têm afirmado, categoricamente, que estarão priorizando o uso das tecnologias TIC para ganhar produtividade e prestar melhores serviços públicos. A iniciativa é muito bem-vinda, e espero que tenha continuidade.

Adicionalmente, cito as complicações da legislação e regulamentos no nosso país, que afetam principalmente o setor privado. Por exemplo: as leis tributárias são um verdadeiro emaranhado de regulamentações (nesse sentido, é bem-vinda a reforma atualmente em discussão no Congresso); a legislação e os processos para abertura e licenciamento de empresas (é igualmente bem-vinda a MP da Liberdade Econômica). 

Vale destacar também que, hoje, o custo da implantação de  tecnologias para processar e melhorar os serviços é aumentado, uma vez que toda essa complexidade tem de ser “automatizada”. Por isso, a revisão e a simplificação dos emaranhados legais são fundamentais para a introdução de ganhos de produtividade e também para facilitar e acelerar os movimentos de inovação.

 

Exemplos que inspiram

Dito isso, e mesmo com todas essas dificuldades, cito alguns exemplos de avanços importantes no uso da tecnologia para prestar melhores serviços aos cidadãos brasileiros e paulistas: o sistema de votação eletrônico do TSE – Tribunal Superior Eleitoral; o sistema do imposto de renda da RFB – Receita Federal do Brasil; o Poupatempo do Governo Estado de São Paulo e a loja de aplicativos móveis SP Serviços, também do Governo do Estado de São Paulo. 

Ainda há muito por fazer, o que significa que temos uma imensa oportunidade para o uso dessas tecnologias para melhorar os serviços governamentais para os cidadãos. A pressão só aumenta - principalmente das novas gerações que, desde muito cedo, experimentam essas tecnologias através dos celulares. Os jovens, acostumados com as facilidades do Rappi, do iFood, do Netflix e de outras soluções digitais, certamente vão aumentar a pressão para que os serviços governamentais também evoluam nessa mesma direção. Assim, sonho que brevemente os gestores públicos tratem o uso das tecnologias TIC com a mais alta prioridade, como acontece nas grandes organizações do setor privado.

Veja Também:

Connected Smart Cities: a inovação no setor público também foi destaque no evento

Connected Smart Cities: a inovação no setor público também foi destaque no evento

Especialistas e empreendedores reuniram-se no espaço do BrazilLAB no evento para trocar ideias e aprendizados de GovTech

Programa de Aceleração BrazilLAB realiza evento gratuito em São Paulo para debater inovação no setor público

BrazilLAB realiza evento gratuito em São Paulo para debater inovação no setor público

Empreendedores de startups aceleradas pelo BrazilLAB vão trocar experiências sobre trabalhar com governos. O evento também marca o lançamento da quarta edição do programa de aceleração.

Mapa Para Simplificação: guia elaborado pela Endeavor destaca iniciativa de São Paulo

Mapa Para Simplificação: guia elaborado pela Endeavor destaca iniciativa de São Paulo

Conheça o programa Empreenda Fácil, que simplificou processos de abertura e licenciamento de empresas na capital paulista.