Logo BrazilLAB Logo BrazilLAB
Letícia Piccolotto BrazilLAB GovTech Valor Econômico

Aplicativos facilitam acesso e controle de serviços públicos

30/11/2018

Founder do BrazilLAB foi destaque do artigo publicado no Jornal O Valor Econômico

*Publicado originalmente por Jacilio Saraiva para o Valor Econômico.

A founder do BrazilLAB, Letícia Piccolotto, foi destaque do artigo "Aplicativos facilitam acesso e controle de serviços públicos", publicado na edição desta sexta-feira (30/11) do Jornal O Valor Econômico.  A matéria traz destaques de Startups que já estão atuando com governos e reforça que o mercado das GovTechs está crescendo no Brasil. Confira o artigo abaixo:

 

Aplicativos facilitam acesso e controle de serviços públicos

O segmento de tecnologia para cidades inteligentes no Brasil deve movimentar, até 2020, cerca de US$ 59 bilhões, e mais startups estão de olho nesse mercado. Quem garante é Letícia Piccolotto, fundadora do BrazilLab, organização sem fins lucrativos que mantém desde 2016 um programa de aceleração para empresas que desenvolvem soluções para o atendimento à população e governos, também conhecidas como "govtechs".

Em dois anos, a iniciativa apoiou 26 empreendimentos e o objetivo é acelerar mais 30 até o início de 2019. Em 2018, o programa de aceleração recebeu 265 inscrições, ante 252 em 2017, de 22 Estados e do Distrito Federal. Do total de inscritos, 31% das empresas já têm soluções nas ruas. "O papel da tecnologia é cada vez mais fundamental para a melhoria dos serviços públicos", diz.

Entre as startups aceleradas pelo BrazilLab estão a Cuco Health, que desenvolveu um aplicativo que ajuda a reduzir filas nas unidades básicas de saúde em Juiz de Fora (MG); e a MobiEduca.me, plataforma de combate à evasão escolar que reduziu o problema em 76%, segundo a entidade, em escolas do Piauí. Outras aceleradoras de negócios, como Artemísia e StartupFarm, também ajudam empreendimentos do setor.

Para Rodolfo Fiori e Ricardo Ramos, fundadores da startup Muove Brasil, o foco é prover eficiência fiscal às cidades. Criada em 2015, a empresa desenhou uma plataforma on-line que auxilia municípios com até 500 mil habitantes a administrar melhor as finanças e ter mais recursos livres para bancar políticas públicas.

"A ferramenta coleta dados de receitas e despesas, e identifica ineficiências na arrecadação e nos gastos municipais", diz Fiori, eleito pelo Massachusetts Technology Institute (MIT) um dos 35 jovens latino-americanos mais inovadores, em 2018. Em média, diz ele, é possível garantir até 5% a mais de fôlego financeiro, em comparação a orçamentos que não usam a facilidade.

A tecnologia da Muove já foi implementada em mais de 100 municípios, em Estados como São Paulo, Bahia e Tocantins. Custa R$ 150 mil ao ano. A expectativa é triplicar a quantidade de clientes em 2019.

Na OnBoard Mobility, que opera em São Paulo e já assinou um contrato em Belo Horizonte (MG), a oferta é um app que facilita a compra do bilhete único para transportes públicos. Com ele, o passageiro faz o pagamento no celular utilizando opções de crédito ou débito. Já são mais de 15 mil usuários na capital paulista e há negociações em curso em mais de 15 cidades.

Somente em São Paulo, a startup já vendeu mais de 150 mil viagens em menos de seis meses. Com a facilidade, o tempo de aquisição do bilhete pode cair de até duas horas, em postos de atendimento, para pouco mais de um minuto, via celular. Dependendo do contrato, a OnBoard Mobility recebe uma comissão pelas vendas ou uma taxa de conveniência dos usuários.

"Estamos desenvolvendo novas alternativas para melhorar o atendimento no transporte, como a emissão de bilhetes com entrega em domicílio", diz o CEO e co-fundador Luiz Renato M. Mattos, que já recebeu R$ 160 mil em aportes de instituições como o Ford Fund, Toyota Mobility Foundation e o governo de Minas Gerais.

Soluções de mobilidade em grandes cidades também estão na mira da Ti.Mob, de Belo Horizonte, e da paulistana Bynd. A primeira atua em dez prefeituras de três Estados com a gestão do estacionamento público rotativo. "Vendemos créditos eletrônicos para carros e motocicletas, e fornecemos um aplicativo para que o município possa fiscalizar o pagamento de quem usa as vagas", explica o gerente de novos negócios Danilo Delfim.

Na Bynd, em operação desde 2015, o carro-chefe é um sistema de caronas corporativas que atende mais de 30 companhias, como Mercedes-Benz e Klabin. "O aplicativo conecta pessoas que queiram compartilhar caronas, diminuindo o uso de carros, vagas de estacionamento e ônibus fretados", diz o co-fundador Gustavo Gracitelli. A mensalidade varia de R$ 1 a R$ 10, por colaborador, de acordo com o volume de funcionários da empresa contratante. O negócio deve faturar R$ 680 mil em 2018, o dobro do valor obtido em 2017.

*Confira o artigo no site do Jornal O Valor Econômico.

 

 

Veja Também:

Programa de Aceleração Confira as 15 Startups e PMEs selecionadas para o 1º Batch do Força-Tarefa Covid-19 do BrazilLAB

Confira as 15 Startups e PMEs selecionadas para o 1º Batch do Força-Tarefa Covid-19 do BrazilLAB

Foram mais de 250 cadastros e 131 inscrições concluídas de todo o país e de fora dele. Conheça as empresas que têm potencial de transformar o setor público por meio da inovação

Programa de Aceleração Demoday 2020: grande final do 4º Ciclo da Aceleração do BrazilLAB acontecerá no dia 21 de agosto

Demoday 2020: grande final do 4º Ciclo da Aceleração do BrazilLAB acontecerá no dia 21 de agosto

Em exibição de forma inédita, totalmente online, seis startups disputam uma vaga entre as três vencedoras

Inovação no Setor Público GovTech em pauta: confira um resumo dos textos de julho de Letícia Piccolotto no UOL

GovTech em pauta: confira um resumo dos textos de julho de Letícia Piccolotto no UOL

Em sua coluna no UOL Tilt, Letícia Piccolotto abordou no mês de julho os temas de saúde mental, inteligência artificial e liderança adaptativa