Logo BrazilLAB Logo BrazilLAB
startups gestão pública GovTech Gov Tech Gov Tech

O que é GovTech?

02/05/2018

Depois das FinTechs e das EduTechs, está na hora de conhecer as startups que estão levando a inovação para a gestão pública

O que exatamente é "GovTech"? Para responder a essa pergunta, achamos útil pensar em uma atuação ampla entre o uso de tecnologias relacionadas a soluções para governos e cidadãos. Definimos “GovTech” como a infraestrutura de tecnologia e soluções inovadoras que os departamentos do governo usam para fazer seu trabalho interno ou fornecer serviços aos seus “clientes”, ou seja, os cidadãos.

Ecossistema GovTech e as Startups

Quem acompanha o noticiário do ecossistema empreendedor, sabe que todo dia surgem novas startups. Ou seja, embriões de empresas que aplicam tecnologias disruptivas em novos modelos de negócio para transformar não apenas o mercado, mas a forma como nos relacionamos na sociedade.

Agora, imagine esse poder transformador aplicado na esfera pública, onde há tanto a se fazer para o desenvolvimento coletivo: é justamente com esse pensamento que surgem as GovTechs, parcerias entre o setor público e privado para gerar soluções que melhoram a performance de governos. Assim, direta ou indiretamente, conferem maior qualidade de vida para os cidadãos

O termo GovTech é derivado de outros modelos que são tendência de mercado. Como, por exemplo, FinTech (combinação do setor financeiro com novas tecnologias) e EduTech (soluções disruptivas no setor da educação). Extrai-se daí um conceito básico de que as GovTechs promovem a transformação por meio da união entre tecnologia e demandas governamentais.

Mas o que têm em comum as startups que atuam nessa área? Podemos identificar três pontos que se repetem:

1)   O uso de ferramentas digitais;

2)   Novas tecnologias relacionadas à análise e geração de dados;

3)  Pessoas que já transitaram entre as esferas pública e privada, altamente engajadas em oferecer melhores serviços à população.

 

Gov TechSai o consumidor, entra o cidadão

Uma das máximas de uma startup de sucesso é o poder de escalabilidade da solução desenvolvida. O quanto ela pode ser replicada, gerando crescimento. E é justamente a escalabilidade um dos maiores desafios enfrentados por governantes: como fazer com que uma solução atinja toda a população?

No caso das GovTechs, o cliente é o governo, que consegue alcançar seu objetivo de implementar suas políticas públicas aos cidadãos, os grandes beneficiários. Então, não se pensa mais em atingir o maior número de consumidores, mas melhorar a vida do maior número possível de cidadãos, com a existência de contrapartidas que viabilizem o projeto e atraiam a iniciativa privada.

Um estudo da empresa de consultoria PiceWaterhouseCoopers  sobre o cenário das GovTechs no Reino Unido aponta um crescimento de investimento nesse modelo. O Venture Capital subiu 55% de 2013 a 3015, e em 2017 chegou a 198%. Isso porque as GovTechs acabam trabalhando um filão de contratos menores dos governos que não são interessantes para grandes corporações, mas se encaixam como uma luva nesse modelo moderno e reduzido de empresa.

 

Uma nova onda de economia gera uma nova onda de política pública

Essas iniciativas são frutos da Economia 4.0 e da Era Cognitiva pelas quais estamos passando — um período marcado pela capacidade das máquinas de aprender. Inicialmente, essas máquinas tinham a função primária de calcular. Depois, houve a era da programação, em que os computadores começaram a receber parâmetros para desempenhar tarefas elaboradas. Agora, entramos em um campo vasto, no qual os computadores podem processar uma grande quantidade de dados e literalmente aprender. A inteligência artificial, já utilizada em diversos processos das indústrias, configura-se como uma das tecnologias disruptivas de maior impacto na sociedade.

Computadores inteligentes já conseguem acessar instantaneamente todas as publicações e estudos relacionados à saúde para auxiliar médicos a definir diagnósticos e dar as informações necessárias para a escolha do melhor tratamento. Além da saúde, há muitas aplicações nos setores de logística e segurança.

O curioso é que nem toda tecnologia aplicada é disruptiva em si. O que é novo muitas vezes é a capacidade de popularização de uma ferramenta. A internet wifi, por exemplo, está longe de ser uma novidade. Mas, com um modelo em que o sinal banda larga wifi esteja disponível em locais públicos de graça, teremos um cenário inédito e transformador. Indicadores de performance, ferramentas de automação na geração de documentos online. Todas essas soluções já são utilizadas nas economias desenvolvidas, e é questão de tempo para que esses avanços gerem resultados expressivos na esfera pública.

 

BrazilLAB: Gov e Tech se encontram aqui

Por tudo isso, o BrazilLAB se orgulha de sua vocação para construir a ponte entre o que há de mais moderno em empreendedorismo, tecnologia e escalabilidade de soluções com nossos governantes.

Assim como grandes transformações partem de startups enxutas, que atuam com agilidade e criatividade, um ponto de partida adotado pelo BrazilLAB foi o trabalho municipal. Para promover grandes transformações no país, começamos por ações pontuais com parcerias entre o ecossistema brasileiro de empreendedorismo e prefeituras dispostas a inovar. Assim, os casos de sucesso podem ser levados para outras localidades, serem aprimorados e ampliados.

Gostou desse conteúdo e se interessou pela interação entre empreendedorismo e governo? Entenda mais sobre a atuação do BrazilLAB e acompanhe em nosso site mais artigos e notícias sobre este setor com grande potencial transformador.

 

 ------------------

Aceleração BrazilLAB 2018

As inscrições para nosso Programa de Aceleração estão abertas! Neste ano, lançamos seis desafios: meio ambiente, gestão de pessoas, saúde, inclusão social, educação empreendedora e segurança pública e cybersecurity. Empresas interessadas em participar do programa devem realizar inscrição pelo site até o dia 8 de outubro.

 


Inscreva-se #BrazilLAB

Veja Também:

Programa de Aceleração Conheça as 9 Startups e PMEs que seguem para a Banca Pitch da Força-Tarefa Covid-19

Conheça as 9 Startups e PMEs que seguem para a Banca Pitch da Força-Tarefa Covid-19

Próxima etapa da Aceleração acontecerá na quarta-feira (23/09) e definirá as Startups e PMEs finalistas para o DemoDay

Inovação no Setor Público BrazilLAB lança “BrazilLAB Talks” para debater a agenda de governo digital no país

BrazilLAB lança “BrazilLAB Talks” para debater a agenda de governo digital no país

Iniciativa inédita organizada pelo BrazilLAB vai promover debates com a participação de especialistas nacionais e internacionais sobre a agenda de inovação e tecnologia para a gestão pública no Brasil

Inovação no Setor Público Fundadora do BrazilLAB entra na lista dos 20 principais líderes GovTech de 2020

Fundadora do BrazilLAB entra na lista dos 20 principais líderes GovTech de 2020

Letícia Piccolotto entrou na lista elaborada pelo Creators que mapeia os líderes de destaque da pauta GovTech em todo o mundo