Logo BrazilLAB Logo BrazilLAB
Empreendedorismo Setor Público Cuco Health

Reflexões sobre empreendedorismo no setor público

18/07/2018

Combinar o perfil inovador do empreendedorismo com governo brasileiro ainda não é a grande realidade, mas já é uma tendência.

Escândalos de corrupção, cortes de gastos e polarização política. Esses ingredientes geram grande desconfiança entre os setores público e privado, enclausurando muitas vezes cada figura em seu “feudo”, sem a interação tão valiosa que viabiliza grandes transformações. É preciso insistir nas trocas de experiências, e combinar novas tecnologias e o DNA de inovação do empreendedor com o alcance do poder público. Porque é difícil falar sobre transformação no país sem o envolvimento do governo, seja municipal, estadual ou federal.

Setor público e escalabilidade

Cerca de 40% do PIB vem de atividades do governo. Outro dado que prova a relevância da esfera pública é quando falamos de saúde e educação: os equipamentos públicos como hospitais e escolas representam mais de 70% da rede. Qualquer inovação, para ser adotada pela população e ganhar relevância necessária para melhorar a vida em sociedade, precisa contemplar essa estrutura.

Empreendedorismo de subsistência

Também é preciso considerar a realidade do empreendedor brasileiro hoje. Esta é outra questão que reforça a necessidade de sinergia entre mundos aparentemente tão diferentes, como o empreendedorismo e o setor público. É comum analistas afirmarem que o Brasil é um playground para o empreendedorismo. Muito por conta do vasto campo que pode (e deve) ainda ser explorado. Há muito o que inovar, transformar, criar e atender. Mas estamos em um estágio inicial de muita subsistência. O empreendedor precisa se preocupar muito com fechar as contas no final do mês, e não um com capital para investir pesado em inovação. Alinhar inovações com políticas públicas é uma alternativa que viabiliza projetos piloto e transformações maiores.

Caminhos

Letícia Piccolotto, fundadora do BrazilLAB, destaca a área de programação e tecnologia blockchain como caminhos possíveis para o empreendedorismo brasileiro se destacar no cenário mundial. São sem dúvida dois campos com demanda crescente e o Brasil pode aproveitar essa oportunidade. Segundo a Federação Internacional de Robótica, a China possui uma “população” de robôs 60 vezes maior que o Brasil. É preciso investir para que o país possa avançar nesse campo. E a tecnologia Blockchain é outra frente que pode revolucionar as relações de negócios por aqui. Isso porque essa tecnologia disruptiva apresenta benefícios que se encaixam com necessidade intensa do Brasil e desburocratizar e acelerar seus processos.

Precisamos ter um governo mais aberto, mais leve, que esteja mais alinhado com as necessidades dos cidadãos. E há um forte movimento para que isso ocorra. Após a lei de Acesso à Informação (LAI), temos os dados disponíveis. Temos diversos diagnósticos, sabemos como o dinheiro público é gasto, o que não está sendo feito. De maio de 2012, ano em que a lei entrou em vigor, e maio de 2018, foram registrados mais de 600 mil pedidos e 99,65% foram respondidos no prazo legal. Agora precisamos passar para uma próxima etapa, justamente de utilização dessas informações tão valiosas. Chegamos no momento em que são necessárias tomadas de decisão e uma resposta colaborativa entre o empreendedor, o governo e a academia. Esses diferentes setores da sociedade juntos é que encontrarão soluções revolucionárias. Letícia do BrazilLAB pontua “pra mim, inovação só acontece quando se está estabelecendo trocas”. Essa mudança de pensamento ainda não ocorre em larga escala, mas existe e a percepção do Brazil LAB que é uma tendência.

Bons exemplos para a transformação

O BrazilLAB é um hub de inovação para estimular essa cultura inovadora dentro do sistema público brasileiro. Como? fazendo a ponte entre o ecossistema de startups, ideias e tecnologias com gestores públicos alinhados com esse novo pensamento. Os casos gerados nesse hub reforçam essa corrente de pensamento que aproxima governantes de soluções inovadoras.

Um ótimo exemplo é o aplicativo Cuco Health. O projeto, que foi acelerado pelo BrazilLAB e foi implementado em Juiz de Fora, Minas Gerais, é uma espécie de enfermeira digital. O app monitora pacientes com doenças crônicas como o diabetes, com alertas de medicação e outras recomendações específicas do usuário. Quanto mais informações são colocadas no Cuco Health, maior é o desconto em medicamentos específicos e tratamentos como sessões extras de fisioterapia. Essa simples ação de monitorar a medicação e recomendações médicas dos pacientes visa evitar internações em unidades de tratamento intensivo. Com a adesão dos tratamentos, o município economiza e leitos ficam disponíveis para outras categorias de emergência.

Será muito benéfico o governo chegar ao ponto se apresentar como uma plataforma para engajar empreendedores. Uma grande base que aponta demandas, fornece os dados e constrói políticas públicas com foco no usuário. Esta não é uma realidade hoje, mas é animador identificar cada vez mais gestores públicos abertos a essas pautas. Afinal, reconhecem que antigas fórmulas não solucionam mais os problemas e é preciso se abrir para novas tecnologias, explorar outros campos.

Veja Também:

Inovação no Setor Público Artigo de Letícia Piccolotto no JOTA: Govtechs e as previsões do setor para 2021

Artigo de Letícia Piccolotto no JOTA: Govtechs e as previsões do setor para 2021

Relatório mostra que há 80 startups no Brasil que são consideradas GovTechs relevantes; confira o artigo da CEO do BrazillAB

Inovação no Setor Público Observatório de Inovação no Setor Público (OPSI) da OCDE publica estudo de caso do BrazilLAB

Observatório de Inovação no Setor Público (OPSI) da OCDE publica estudo de caso do BrazilLAB

O estudo de caso do OPSI relata a trajetória e destaca as principais iniciativas do BrazilLAB

Programa de Aceleração Conheça as 58 Startups e PMEs aceleradas pelo BrazilLAB no ano de 2020

Conheça as 58 Startups e PMEs aceleradas pelo BrazilLAB no ano de 2020

Em 2020, o BrazilLAB concluiu 3 ciclos de Aceleração, 2 DemoDays e acelerou 58 Startups e Pequenas e Médias Empresas (PMEs)