Logo BrazilLAB Logo BrazilLAB
inovação segurança segurança pública cybersecurity gestão pública

Soluções inovadoras na área de segurança pública e segurança na internet são alvo da terceira edição da aceleração BrazilLAB

05/08/2018

Por mais que o poder público invista em segurança, o Brasil continua um dos países mais inseguros do mundo — inclusive na internet. Por isso, o BrazilLAB está procurando por soluções que ajudem a mudar este cenário.

Fonte: Shopify

[Fonte: Shopify]

Muito investimento, pouco retorno. É o que podemos concluir sobre a Segurança Pública no Brasil ao analisarmos o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, produzido pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O estudo mostra que, em 2017, foram gastos R$ 81,2 bilhões na área, mas que apesar do gasto alto o brasileiro não está mais seguro: 17 das 50 cidades mais violentas do mundo são brasileiras e o Brasil tem mais homicídios do que 52 países da América do Norte, Europa, Oceania e Norte da África combinados . De acordo com o Índice de Progresso Social, o país ficou em 11º entre os mais inseguros do mundo. Logo o aumento da sensação de insegurança em meio à população não é infundado e isto impacta diretamente a qualidade de vida do país.

A segurança por aqui também sofre no ambiente online: os ataques cibernéticos vêm aumentando. Segundo o relatório anual Norton Cyber Security Insights, em 2016, as investidas de hackers no mundo registraram um aumento de 10% em relação ao ano de 2015. Apenas no Brasil, 42,4 milhões de pessoas foram afetadas e o prejuízo total no país por conta desses ataques chegou a R$ 32,1 bilhões. De acordo com o estudo do  Instituto Igarapé, há uma tendência crescente de uso da internet para fins pessoais, armazenamento de informações e transações financeiras, o que cria um ambiente ainda mais favorável para crimes virtuais.


Saiba Mais #BrazilLAB

O potencial das tecnologias

Segundo a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia em Identificação Digital, recursos como a biometria, o reconhecimento facial e o uso de dispositivos que compartilham dados entre diferentes instituições e órgãos podem otimizar processos de fiscalização, evitando fraudes do sistema manual, assim como aumentar a sensação de segurança e gerar economias para o Estado.

Na América Latina, temos exemplos de soluções tecnológicas como a de Tigre, na Argentina, que com a instalação de câmeras e dispositivos de reconhecimento facial em estações de trem e terminais rodoviários auxilia a polícia no sistema de busca de pessoas desaparecidas.

Quanto à segurança cibernética, conforme o ambiente online aumenta em complexidade e número de usuários, a sua segurança também deve evoluir para proteger a população contra ataques direcionados e ameaças avançadas. São necessárias inovações que atendam às demandas do cenário atual. Recentemente, mais de 30 empresas globais assinaram o Acordo Tecnológico de Segurança Cibernética para colaborarem nesta pauta.

 

Desafio: Prevenção e redução do crime

Considerando esse cenário, o programa de aceleração de 2018 está em busca de iniciativas inovadoras que auxiliem na melhoria da segurança nas transações e interações cibernéticas. Este desafio é composto pelas seguintes questões:

Como as novas tecnologias podem contribuir com a melhoria da segurança pública no Brasil?

Como a tecnologia pode auxiliar o governo no combate a ataques cibernéticos que afetam a segurança pública do país?


Saiba Mais #BrazilLAB

#brazillab2018

Veja Também:

Inovação no Setor Público Observatório de Inovação no Setor Público (OPSI) da OCDE publica estudo de caso do BrazilLAB

Observatório de Inovação no Setor Público (OPSI) da OCDE publica estudo de caso do BrazilLAB

O estudo de caso do OPSI relata a trajetória e destaca as principais iniciativas do BrazilLAB

Programa de Aceleração Conheça as 58 Startups e PMEs aceleradas pelo BrazilLAB no ano de 2020

Conheça as 58 Startups e PMEs aceleradas pelo BrazilLAB no ano de 2020

Em 2020, o BrazilLAB concluiu 3 ciclos de Aceleração, 2 DemoDays e acelerou 58 Startups e Pequenas e Médias Empresas (PMEs)

Inovação no Setor Público Artigo de Letícia Piccolotto no JOTA: como políticas públicas podem estimular a formação de profissionais digitais

Artigo de Letícia Piccolotto no JOTA: como políticas públicas podem estimular a formação de profissionais digitais

Boas experiências indicam necessária união entre diferentes atores da sociedade em prol do trabalho colaborativo; confira o artigo da CEO do BrazillAB