Startup brasileira deu mais bolsas que governo e pode se tornar gigante mundial - BrazilLAB
PT EN
educação bolsa startup

Startup brasileira deu mais bolsas que governo e pode se tornar gigante mundial

31/07/2017

Ela já ajudou 160 mil brasileiros a entrarem na faculdade e é uma das candidatas ao posto de primeira unicórnio do Brasil

Uma empresa brasileira recentemente foi acelerada na Y Combinator, a maior das grandes aceleradoras do Vale do Silício – e por onde passaram Airbnb, Twitch, Dropbox e Reddit – e voltou ao Brasil bombando. A Quero Educação fez com que seu faturamento pulasse de R$ 5 milhões em 2015 para (estimados) R$ 50 milhões em 2017.

E o melhor: ajudando 160 mil brasileiros a entrarem na faculdade – uma das causas mais nobres possíveis. A companhia tem um marketplace de descontos para ensino superior e já viabilizou a entrada na faculdade de 160 mil pessoas. São 160 mil famílias que vão ter suas condições de vida muito melhoradas por conta disso. São 160 mil trabalhadores que vão ajudar o Brasil a se tornar mais produtivo e crescer mais.

Quase todas as startups de sucesso possuem um único objetivo: fazer do mundo um lugar melhor. Tenho orgulho de compartilhar uma história, da Quero Educação, que REALMENTE faz o mundo um lugar melhor. Parabéns!

A companhia viu um grande gap no mercado de ensino nacional contra outros países: aqui, só 16% dos trabalhadores possuem ensino superior completo, enquanto nos Estados Unidos esse número chega a quase 50. Ou seja, havia mercado: o brasileiro também tem menos dinheiro e acesso a crédito, precisando de mais descontos e bolsas para cursar universidade.

Por isso, os fundadores da companhia – Bernardo de Pádua, Lucas Gomes e Thiago Brandão – resolveram transformar o cenário da educação no Brasil através da tecnologia, conectando alunos e instituições de ensino e ajudando as pessoas a escolherem o curso certo, pagando um preço acessível. A companhia nasceu em 2012 e chega a 2017 tendo oferecido 160 mil bolsas de estudo em mais de 1.000 faculdades diferentes.

Isso é um número superior ao que o governo vem disponibilizando recentemente, após os cortes nos financiamentos estudantis do FIES – o governo só disponibilizou cerca de 150 mil vagas diferentes. “A nossa missão é aumentar o acesso ao ensino, levando as pessoas ao curso certo, pagando um preço justo”, conta o CEO da Quero Educação, Bernardo de Pádua.

Mesmo com o crescimento forte destes últimos anos, a empresa entende que existe um mercado gigantesco a ser tomado nos próximos. “No Brasil, são mais de três milhões de alunos entrando no ensino superior todo o ano e uma fila de dezenas de milhões que não conseguiram ter acesso ainda, em geral porque as mensalidades são caras ou porque a pessoa não tem a informação”, analisa Pádua.

E se a companhia quiser diversificar, pode ficar ainda mais gigante: o mercado de ensino brasileiro potencial é muito maior do que o que vem sendo realizado nos últimos anos – permitindo que a empresa se torne um unicórnio verde-amarelo. “Temos ainda muito a crescer. Existem os mercados adjacentes de educação, como as escolas de idiomas, por exemplo. A empresa pode crescer de 10 a 50 vezes, mesmo antes de considerar as oportunidades internacionais”, conclui.

Gigante global

E que oportunidades internacionais são essas? A companhia pode se tornar uma gigante global, um unicórnio de fato! Afinal, ela foi acelerada pela Y Combinator, diretamente no Vale do Silício. Na época, ela havia beneficiado “apenas” um pouco mais de 70 mil estudantes universitários – número que cresceu radicalmente. Lá, foi possível entender que esse é um problema que também afeta países desenvolvidos como os Estados Unidos – onde os “students loans” atormentam muitos dos estudantes.

O potencial é tão grande que alguns dos maiores nomes da internet brasileira investiram na companhia, como Romero Rodrigues, fundador do Buscapé, e Julio Vasconcellos, fundador do Peixe Urbano. A noção é de que a Quero Educação tem uma equipe fantástica para ajudar o mundo a se tornar um lugar melhor. “O time Quero Educação é de nível mundial e seu entendimento do mercado e execução tem sido extraordinários ”, comenta Geoff Ralston, sócio da Y Combinator.

A intenção da Quero Educação pode contribuir para seu crescimento conectando as duas pontas do setor – instituições de ensino superior e alunos. “Encontrar a escola ideal pelo preço certo é um problema universal. O mercado brasileiro é o lugar perfeito para começar o que acreditamos que será uma empresa multibilionária e global atendendo essa necessidade”, revela Ralston.

Se outros brasileiros tiverem ideias tão sensacionais como essas, esperamos que eles empreendam como o pessoal da Quero Educação e ajudem o mundo a se tornar um lugar melhor! Preparamos um guia para ajudar vocês a empreenderem melhor – baixe-o gratuitamente através deste link.

 

Por: Felipe Moreno - Editor-chefe do StartSe e fundador da startup Middi.

Veja Também:

Inovação e empreendedorismo no setor público são temas de evento gratuito do BrazilLAB

Realizado pelo BrazilLAB, encontro reunirá startups, governo e academia no Google Campus

O que vem por aí? As propostas de candidatos à presidência que se apresentaram no GovTech Brasil

No encerramento da convenção, cinco presidenciáveis subiram ao palco para compartilhar suas visões sobre inovação no setor público. Confira aqui um resumo de cada um

GovTech Brasil: de acordo com especialistas, a inovação na segurança pública é “para ontem”

Especialistas reuniram-se em São Paulo para debater desafios e soluções para a área. Veja agora os destaques desse encontro