Tecnologia contra a pobreza - BrazilLAB
PT EN
Logo BrazilLAB
Estônia Toomas Hendrik Ilves UOL GovTech Documento Digital Votação pela Internet Histórico de Saúde Cidadania Virtual

Tecnologia contra a pobreza

13/08/2018

Toomas Hendrik Ilves presidiu a Estônia de 2006 a 2016 e conta como o país virou o mais digital do mundo

No último dia 6 de agosto, um dos maiores nomes mundiais de renovação digital marcou presença no evento GovTech Brasil, em São Paulo. A palestra de Tomas Hendrik Ilves, ex-presidente da Estônia, ganhou destaque ao contar sobre como implementaram de forma pioneira uma verdadeira revolução digital em seu país. O UOL Tecnologia esteve presente e preparou uma matéria interessantíssima sobre o tema. Confira aqui.
 
 
Pequeno país localizado no Mar Báltico, às margens do Golfo da Finlândia e na vizinhança da Rússia, a Estônia é uma referência global em tecnologia da informação. Independente da União Soviética desde agosto de 1991, o país apostou na digitalização para multiplicar seu PIB per capita de US$ 2.832 em 1992 para US$ 19.840 em 2017. De quebra, acabou vendo o surgimento de um sistema de governo inovador e de empresas famosas, como o Skype
 
Parte desse processo passou pelas mãos Toomas Hendrik Ilves, um sueco de nascença que presidiu o país entre 2006 e 2016. De passagem pelo Brasil, onde palestrou sobre os desafios enfrentados pela Estônia para atingir seu status atual, Ilves conversou com exclusividade com o UOL Tecnologia.
 
Na entrevista, ele contou um pouco mais sobre o sistema digital do país, alertou para os desafios da segurança cibernética e pediu colaboração entre Estados para combater ataques de hackers, especialmente aqueles que afetam países democráticos.
 
 
>>> Já conhece o Programa de Aceleração do BrazilLAB? Inscreva-se aqui! <<<
 

Por que a Estônia investiu em tecnologia da informação?

"Começamos a fazer isso muito antes de eu virar presidente. Para nós foi uma forma de sair do extremo atraso, da extrema pobreza. No começo dos anos 1990, tínhamos acabado de sair de um domínio soviético de 50 anos. O que você vai fazer? Não tínhamos dinheiro. Existiam algumas ideias e essa funcionou. E continuou funcionando, vimos que era útil."

Toomas Hendrik Ilves - presidente da Estônia entre 2006 e 2016

Quatro pontos que tornam a Estônia um país digital

 

Documento digital

Quase toda população tem um cartão de identidade com um chip que carrega uma série de arquivos de documentos, devidamente criptografados. Ele dá acesso a todos os serviços digitais da Estônia, simplificando burocracias de preenchimento de fichas médicas ou bancárias.

Votação pela internet

Possível apenas por conta do documento digital, a votação pela internet ocorre desde 2005 e funciona de qualquer PC do mundo. Com o cartão, cada cidadão é identificado de forma segura e vota de casa ou da padaria, desde que tenha um PC conectado. Nada de urnas e papéis.

Histórico de saúde

Qualquer visita médica, exame ou receita para remédios está vinculada à identidade dos cidadãos da Estônia. O sistema foi implementado em 2008 e permite que médicos consigam acessar o histórico do paciente em qualquer consulta e então tomar decisões mais embasadas.

Cidadania virtual

Apostando no mundo sem fronteiras da internet, a Estônia criou a e-Estônia, uma espécie de versão virtual do país. Você pode se tornar um residente virtual do país (independente de onde mora) e, a partir disso, fundar uma empresa sediada legalmente na Europa, com todas responsabilidades e benefícios.

 

O sistema que faz a máquina andar

O X-Road, o cérebro digital da Estônia, foi criado em 2001. Ele é um sistema de troca de informações descentralizado, com bases de dados separadas em compartimentos virtuais, mas com facilidade e agilidade na comunicação entre eles. Especialistas o consideram o sistema de governo mais digital do mundo.

Diferentes departamentos do governo administram seus próprios dados separadamente. As informações não são duplicadas em bases de dados diferentes, mas podem ser acessadas de qualquer uma delas. Um exemplo é o processo que segue o nascimento de uma criança.

Quando o bebê nasce, essa informação é enviada direto do hospital para o registro de população. De lá, os dados são direcionados ao departamento de saúde, para que ele tenha um seguro-saúde e um pediatra. Isso simplifica a vida do governo e do cidadão: a mãe não precisa buscar uma certidão de nascimento no cartório, acertar um plano de saúde e aí ir atrás de um médico de confiança. Em contrapartida, o governo não tem gastos com papelada e funcionários - a economia corresponde a 2% do PIB da Estônia.

 

A identidade digital

Esses são os princípios do documento virtual da Estônia:

  • ser único e seguro
  • ter validade legal
  • usar autenticação em duas etapas
  • ter criptografia de ponta a ponta
  • ser distribuído de forma abrangente, mas sem ter uso obrigatório

 

"Na Estônia, existem três coisas que você não pode fazer online, que você tem que dar as caras. Uma é se casar. Outra é divorciar. A terceira, é comprar ou vender um imóvel."

Toomas Hendrik Ilves - presidente da Estônia entre 2006 e 2016

O medo da Rússia

UOL: A Estônia está independente há 26 anos, mas a Rússia se mostra hostil aos vizinhos. Vocês temem ataques russos? Esses avanços em tecnologia da informação são uma forma de defesa?

Toomas  Hendrik  Ilves: Fomos atacados digitalmente pela Rússia nos ataques cibernéticos de 2007. E a retórica da Rússia é muito hostil, não só a nós, mas a todo mundo. Então, claramente, investimos muito em segurança cibernética - não só financeiramente. Pensamos muito sobre segurança cibernética intelectualmente. Então sim, nós tememos (ataques da Rússia).

UOL: A falta de regras internacionais para o uso da internet dificulta combater ou apurar ataques cibernéticos?

Ilves: Você pode identificar depois (o responsável por um ciberataque), o problema é que você não consegue fazer isso imediatamente. Alguém atira um míssil na sua direção e você pode vê-lo num radar, saber de onde ele veio. Quando se trata de hacks e brechas, existe um campo de estudos inteiro para determinar responsabilidade, chamado de forense digital. Mas pode levar meses e meses para saber quem fez alguma coisa. Não faz tanta diferença se, um ano depois, você percebe que alguém derrubou seu sistema de energia.

 

O grande ciberataque de 2007

Em 27 de abril de 2007, um grande ataque digital paralisou a Estônia. Ele afetou bancos, governo, jornais e redes de televisão. Apontada como culpada, a Rússia nunca reconheceu a autoria.

O incidente gerou duas consequências marcantes. A primeira delas é que a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) fundou um Centro de Excelência de Defesa Cibernética Cooperativa, cuja sede fica em Tallinn. O outro foi a implementação do blockchain no X-Road, para dar mais segurança aos dados governamentais, privados e corporativos estonianos.

 

Como proteger dados na era da internet?

 Eu não sei como as leis de proteção de dados do Brasil são, mas é evidente que as pessoas estão apenas começando a se movimentar na direção da proteção dos dados. A Europa adotou uma lei forte, mas, por exemplo, você não tem isso nem nos Estados Unidos

O hack no ano passado da Equifax, uma empresa comercial que tinha dados financeiros de 150 milhões de pessoas, que significam 80% da população adulta dos Estados Unidos. Foi informação pessoal de crédito roubada. E não tem lei, até hoje, que faria qualquer coisa contra isso.

O GDPR entrou em efeito, no dia 25 de maio desse ano, mas antes disso não funcionava também. As empresas lutam, porque custa dinheiro extra implementar os requerimentos para proteção de dados. Eu acredito que é uma questão de tempo antes da maioria dos países adotarem algo parecido com o GDPR.

 

Colaboração internacional

A Estônia exportou seu sistema para a "irmã" Finlândia e apresentou-o a dezenas de outros países, entre eles Argentina, Uruguai, México, Canadá e Japão. O X-Road também inspirou a criação de programas semelhantes em outros países. Mas Ilves quer mais

O ex-presidente contou que seu país e a Finlândia estão discutindo os parâmetros para que os dois X-Roads conversem. Dessa forma, os dados médicos de um finlandês poderiam ser acessados de um hospital na Estônia, e vice-versa.

 

"Temos visto democracias sob ataques de governos autoritários, tentando manipular a política de formas diferentes, de boatos e propagandas no Facebook a hacks em partidos políticos e servidores. Temos de buscar uma cooperação muito mais próxima entre democracias. Países que têm eleições livres e justas, que respeitam direitos humanos, que têm liberdade de expressão, porque a internet não tem fronteiras "

Toomas Hendrik Ilves - presidente da Estônia entre 2006 e 2016

 

Crias da Estônia

KaZaa

Lembra do Kazaa? O programa de compartilhamento de arquivos, que ficou famoso no começo da década passada pelos amantes de música, foi criado e desenvolvido pelos programadores estonianos da BlueMoon Interactive. O trio da parte de programação foi ganhar destaque mesmo no...

Skype

...Skype! Ahti Heinla, Priit Kasesalu e Jaan Tallinn foram os criadores do mensageiro, que foi fundado na Suécia. Em 2011, a Microsoft pagou 8,5 bilhões para comprar o Skype, segunda maior aquisição da história da empresa. O serviço é, hoje, parte fundamental do portfólio de serviços da companhia de Bill Gates.

 

Skype, uma ferramenta de motivação

 

Eu acredito que uma coisa que teve um grande impacto foi que três moleques - eles estavam na metade dos 30 anos - inventaram o Skype. No país, isso teve um enorme impacto na autoestima dos jovens, porque, de repente, você descobre que alguém no mesmo país inventou algo que é uma marca internacional. Então, a pessoas dizem, 'uau, talvez eu possa fazer algo também'. A Estônia tem uma história muito azarada, especialmente no século 20. De repente, as coisas começaram a andar direito para gente."

Toomas Hendrik Ilves - presidente da Estônia entre 2006 e 2016

 

Apostas para o futuro

Taxify

É difícil concorrer com o Uber, mas algumas empresas como a 99 conseguiram. Na Europa, a estoniana Taxify alcançou algo semelhante. O app foi fundado em 2013 e presta serviços em 27 países e todos os continentes, exceto a América do Sul.

Lingvist

O estoniano Mait Müntel trabalhou no maior acelerador de partículas do mundo, mas em sua passagem por lá sofreu para aprender francês. Inspirado por isso, ele fundou o Lingvist em 2013, um serviço de ensino de línguas que possui uma comunidade com centenas de milhares de usuários.

 

 
 
 
 

 ------------------

Aceleração BrazilLAB 2018

Saiba mais sobre o nosso Programa de Aceleração! Neste ano, lançamos seis desafios: meio ambiente, gestão de pessoas, saúde, inclusão social, educação empreendedora e segurança pública e cybersecurity. Empresas interessadas em participar do programa devem realizar inscrição pelo site até o dia 8 de outubro.

 


Saiba Mais #BrazilLAB

Veja Também:

Inovação no Setor Público Iguá Lab é eleito a ideia mais inovadora do ano no PPP Awards

Iguá Lab é eleito a ideia mais inovadora do ano no PPP Awards

Iniciativa promovida pelo BrazilLAB selecionou projetos de startups voltados à melhoraria da eficiência no setor de saneamento

Programa de Aceleração Aceleração 2018: conheça as startups selecionadas para o challenge de Gestão de Pessoas

Aceleração 2018: conheça as startups selecionadas para o challenge de Gestão de Pessoas

Mineração de dados para auditoria em folha de pagamentos e plataforma de cursos de inovação para gestores públicos estão entre as soluções.

Programa de Aceleração Aceleração 2018: conheça as startups selecionadas para o challenge de Meio Ambiente

Aceleração 2018: conheça as startups selecionadas para o challenge de Meio Ambiente

Detecção automática de incêndios e gerenciamento de resíduos estão entre as soluções.