Logo BrazilLAB Logo BrazilLAB
Vale do Silício Brasil Startup Aceleradora Coworking

Vale do Silício agritech do Brasil recebe a primeira aceleradora de startups

07/08/2017

Com 550 metros quadrados, o espaço de coworking Pulse busca empresas com ideias inovadoras para o campo

A Raízen, em parceria com o fundo gestor de capital SP Ventures e a Nxtp. Labs inaugurou nesta quinta-feira (3/8) um espaço de coworking para hospedar startups voltadas à inovação no agronegócio. A aceleradora, batizada de Pulse, fica dentro do Parque Tecnológico de Piracicaba, no interior de São Paulo. Na cidade, também estão localizadas instituições como a Fatec (Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo) e o IFSP (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo), além da sede administrativa da Raízen, maior grupo produtor de etanol, açúcar e bioenergia do país.

A região ficou conhecida como o “Vale do Silício Agritech do Brasil” e já abriga 38% das startups de tecnologia agrícola do Estado de São Paulo. “Este aqui será o Vale do Silício Industrial, não tenho dúvidas. A Raízen gerencia 1 milhão de hectares. Ou seja, o campo de testes para tudo que quisermos desenvolver com empreendedores, investidores e outros parceiros é enorme”, afirma Beto Abreu, vice presidente de etanol, açúcar e bioenergia da Raízen.

O espaço Pulse já conta com duas empresas de inovação amadurecidas e que atualmente fornecem soluções tecnológicas para acompanhia de açúcar e etanol. A Agrosmart, liderada por Mariana Vasconcelos, 26 anos, atua no monitoramento e gerenciamento de recursos naturais no campo. A startup Strider trabalha no setor de controle de pragas.

O coworking pode abrigar até 20 empresas. Segundo Fabio Mota, diretor da Raízen que liderou o trabalho à frente do Pulse, ideias para qualquer segmento do agronegócio podem ser selecionadas para desenvolver seu plano de negócios com a ajuda dos especialistas da empresa, investidores e outras startups.

A companhia também possui capital disponível para impulsionar esses novos negócios, conta Mota. Ele afirma que no primeiro ano de trabalho na aceleradora os empreendedores poderão usufruir de toda a infraestrutura sem pagar nada.

 

Via: Globo Rural

Veja Também:

Inovação no Setor Público Artigo de Letícia Piccolotto no JOTA: Govtechs e as previsões do setor para 2021

Artigo de Letícia Piccolotto no JOTA: Govtechs e as previsões do setor para 2021

Relatório mostra que há 80 startups no Brasil que são consideradas GovTechs relevantes; confira o artigo da CEO do BrazillAB

Inovação no Setor Público Observatório de Inovação no Setor Público (OPSI) da OCDE publica estudo de caso do BrazilLAB

Observatório de Inovação no Setor Público (OPSI) da OCDE publica estudo de caso do BrazilLAB

O estudo de caso do OPSI relata a trajetória e destaca as principais iniciativas do BrazilLAB

Programa de Aceleração Conheça as 58 Startups e PMEs aceleradas pelo BrazilLAB no ano de 2020

Conheça as 58 Startups e PMEs aceleradas pelo BrazilLAB no ano de 2020

Em 2020, o BrazilLAB concluiu 3 ciclos de Aceleração, 2 DemoDays e acelerou 58 Startups e Pequenas e Médias Empresas (PMEs)