Logo BrazilLAB Logo BrazilLAB
Órgão Público Ministério Público $MTI Tecnologia Dados Públicos

Quando um órgão público vira hub de inovação: a experiência da 4MTI no Ministério Público de MG

24/10/2019

Após adotar sistemas desenvolvidos pela startup mineira, o MPMG virou vitrine de inovação no setor público e firmou parceria com o Ministério Público paulista

Em outubro de 2018, contamos a história de como a 4MTI, empresa mineira de soluções em tecnologia e dados públicos, conseguiu vender inovação para o Ministério Público de MG. Na época, os sócios Matheus Pereira e Marcos Rabelo compartilharam o longo processo até que o órgão implantasse um sistema de gestão de dados que aprimorasse o controle das contas públicas.  

Um ano depois, a 4MTI - que participou do 2o ciclo de Aceleração do BrazilLAB - tem mais notícias boas para compartilhar. A empresa acabou de entregar, para o Ministério Público de Minas Gerais, os sistema Áduna e Lins que, de acordo com Matheus Pereira, vão revolucionar a atuação do órgão. 

 

Um longo caminho

Foram dois anos e meio de conversas até que a contratação da 4MTI por parte do órgão ocorresse, pela modalidade de dispensa de licitação. E mesmo depois de contratada, a empresa não teve vida fácil. “Existe a complexidade de lidar com a cultura de trabalho e com o ritmo das entregas do setor público, que são diferentes. Fizemos todo o trabalho de desenvolvimento em um ano. Durante esse período, a pressão também foi constante. Por sermos uma empresa nova, houve vários questionamentos”, conta Matheus. 

Sobre os sistemas implantados, Áduna e Lins, o verbo “revolucionar” é perfeitamente justificável. Ambos são módulos de uma mesma plataforma que vai agilizar e aprimorar a auditoria das contas públicas. “O Áduna é focado em dados pessoais: é possível encontrar tudo o que for preciso de um indivíduo ou de um grupo lá. Isso vai facilitar muito a vida dos promotores, que terão todos os dados em um mesmo local”, explica o empreendedor. 

Antes, essa pesquisa era feita “na unha”, pela internet, e demorava muito. O Áduna é um sistema ao qual 100% dos colaboradores do MP têm acesso. E, depois de implantado, a solução já registra 500 acessos por dia. “Em um órgão que tem 6 mil colaboradores, é um ótimo índice”, afirma Matheus. 

 

Trilhas de auditorias

O outro módulo é o Lins, que está interligado ao Áduna e que avalia a execução orçamentária dos municípios. “Com a ferramenta, os promotores sabem direitinho quanto dinheiro entra e quanto saiu, para quais empresas (fornecedores) foram os recursos, sabem também quem são os sócios, etc. Conseguimos descobrir relações entre os sócios, cruzamos dados e encontramos anomalias”, conta o sócio da 4MTI. 

Com o sistema, é possível estabelecer conexões entre pessoas e empresas, e descobrir em quais outros municípios elas estão sendo contratadas. Ou seja, caso haja alguma prática ilícita, é possível mapear possíveis locais em que essa prática é repetida. “Isso facilita muito a denúncia do promotor, que antes nem tinha como analisar, porque não tinha acesso a todos os dados. Agora, além de acessar, ele consegue perceber onde mais aquilo está acontecendo. O sistema oferece a possibilidade de o próprio promotor criar as trilhas de auditoria dele”.

 

Inovação no MP de São Paulo

Outra boa notícia da 4MTI é que o Ministério Público de São Paulo também vai adotar esses sistemas. A implantação está acontecendo por meio de uma parceria entre os dois MPs - ou seja, o órgão paulista vai adotar a ferramenta sem ter que investir no desenvolvimento. Só será necessário carregar os dados do estado.

Para Matheus Pereira, a parceria vai dar uma nova dimensão para a atuação dos órgãos. “Essas investigações não têm território, não têm fronteira. Às vezes, é uma empresa de SP que está atuando em MG e que precisa ser investigada. Então, essa atuação conjunta vai gerar muito mais resultados do que quando os MPs estão separados”.

O empreendedor destaca também o fato de o Ministério Público de MG ter se tornado um avalizador da inovação da empresa. “O próprio órgão público pode se tornar um hub de inovação, que é o caso do MPMG, que vai disseminar a nossa iniciativa para outros MPs do país”. 

Como Matheus afirmou, o caminho foi longo e exigiu paciência dele e do sócio. Mas ambos estavam conscientes do impacto positivo que poderiam gerar. “O empreendedor que pretende trabalhar com o setor público precisa estar preparado para essas dificuldades. Tem que estar disposto e tem que entender que o principal é a sociedade”, conclui ele. 

 

A sua startup também tem o propósito de causar impacto social?

O BrazilLAB vem buscando formas de facilitar a contratação de tecnologia pelo setor público. Neste sentido, a iniciativa mais recente foi a criação do Selo GovTech, que certifica startups como capacitadas e aptas a trabalharem e venderem para diferentes órgãos do governo. Ao ser aprovada no processo e obter o Selo GovTech, a empresa passará a fazer parte de uma rede de empreendedores que possuem soluções tecnológicas para diversos desafios dos governos. Clique aqui e saiba mais!

Veja Também:

Inovação no Setor Público Aceleradas do BrazilLAB dominam categoria de GovTechs do Ranking TOP 100 Open Startups

Aceleradas do BrazilLAB dominam categoria de GovTechs do Ranking TOP 100 Open Startups

Das 10 Startups premiadas na categoria GovTech, 7 são da Rede do BrazilLAB; No Ranking das 100 Startups, 8 já passaram pela nossa Aceleração

Inovação no Setor Público BrazilLAB participa de Semana Internacional de Inovação da ENAP com vitrine de startups GovTech

BrazilLAB participa de Semana Internacional de Inovação da ENAP com vitrine de startups GovTech

Maior evento de inovação da América Latina é liderado pela Escola Nacional de Administração Pública (ENAP) e deverá reunir mais de 150 palestrantes nacionais e internacionais

Inovação no Setor Público BrazilLAB, Fundação Brava e CPI lançam estudo sobre ecossistema de Profissionais Digitais

BrazilLAB, Fundação Brava e CPI lançam estudo sobre ecossistema de Profissionais Digitais

Relatório apresenta desafios e oportunidades de melhoria na formação de profissionais responsáveis por conduzir a transformação digital