Logo BrazilLAB Logo BrazilLAB
Pequenas Empresas & Grandes Negócios GovTech Letícia Piccolotto PitchGov ABStartups Poupinha MGov EduqMais CityTech

Inovação e Poder: como startups estão ajudando governos a aperfeiçoar a eficiência dos órgãos públicos

21/05/2018

Artigo da edição de maio da Revista PEGN destaca o crescimento da pauta GovTech no Brasil

A edição de maio da Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios destaca o crescimento da pauta GovTech no Brasil. Como pioneiro na fomentação à este ecossistema vital para nosso país, o BrazilLAB é citado na matéria, que traz a visão da nossa Founder, Letícia Piccolotto.

Ao longo do artigo, Letícia destaca a importância de ser resiliente na busca de responder os desafios e conquistar oportunidades para vender ao governo. A Founder do BrazilLAB ressaltou que este mercado está ganhando impulso no país e relacionou o crescimento da pauta à Lei da Inovação, regulamentada no ano passado, que simplificou a aproximação entre startups e governos.

Confira o artigo publicado na edição de maio da Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios:

Inovação e Poder

Para vencer o desafio de fazer muito com orçamentos limitados, conferir transparência às ações oficiais e dar respostas rápidas às demandas da população, governos estaduais, prefeituras e órgãos públicos estão recorrendo à ajuda das startups. Os empreendedores, por sua vez, já perceberam que o poder público pode ser um parceiro comercial fundamental para conquistar o crescimento. É o fenômeno das GovTechs, que começa a ganhar força em todo o Brasil.

Em São Paulo, o governo estadual promove o programa PitchGov, em parceria com a ABStartups. O objetivo é selecionar startups que proponham soluções para problemas nas áreas de educação, saúde, transporte, habitação, saneamento, entre outros. O programa não prevê repasse financeiro, mas as empresas têm a oportunidade de testar suas soluções com escala. Uma das  GovTechs a se beneficiarem da iniciativa foi a Numa, selecionada na primeira edição, em 2015. A startup paulista criou o Poupinha, um chatbot que otimiza os agendamentos do Poupa Tempo em todo o estado, permitindo realizar agendamentos e tirar dúvidas online. Hoje, a startup atende em média 18 mil pessoas por dia.

A iniciativa do PitchGov deu tão certo que a ABStartup e o governo lançaram, em abril, uma cartilha para disseminar o modelo para outros estados, prefeituras e órgãos públicos. "Trabalhar para o poder público é uma excelente oportunidade para os empreendedores", diz Amure Pinho, presidente da ABStartups. "Os governos são clientes com escala e peso. Quem consegue atendê-los mostra-se apto a atender qualquer grande empresa", afirma. Confira abaixo quatro startups que já estão lucrando com a parceria.

 

Comunicação Ágil
Fundada em 2012, a paulistana MGov desenvolveu a plataforma lmpactCom, que usa SMS e unidade de resposta audível (URA) para ajudar gestores de políticas públicas e programas de impacto social a estabelecer comunicação direta com seus públicos-alvo, que muitas vezes não têm acesso à Internet. Em 2015, a MGov fez uma parceria com a Fundação Lemann para criar o EduqMais, uma biblioteca de conteúdo para o engajamento de famílias de alunos de escolas públicas.

 

Big Data no Governo
Coletar, organizar e visualizar grandes volumes de dados públicos é a proposta da 4MTI, empresa de Belo Horizonte (MG). Para isso, criaram a ferramenta de Big Data Diagnóstico Público, já adotada pelo Sebrae-MG epela prefeitura de Contagem. Para o Sebrae, foi feita uma avaliação da participação das micro e pequenas empresas nos processos de compra de 853 municípios. Em Contagem, a solução está sendo usada para analisar a situação do município em relação a metas de sustentabilidade da ONU.



Para ouvir a cidade
A CityTech, de São Paulo, começa neste mês a trabalhar comercialmente um produto que ajuda as prefeituras a conhecer e gerenciar as demandas de seus cidadãos. O Urban lnsights rastreia publicações em redes sociais e sites de notícias para entender o que as pessoas estão falando de suas cidades. Depois de processados, os dados aparecem em um painel de inslghts para o gestor público. "Em tempo real, ele pode saber o que as pessoas estão comentando", diz Daniel Merege, 28 anos, cofundador e CEO da empresa.

 

Economia e melhores processos
A GovTech, fundada em 2010 em Campinas, especializou-se em desenvolver soluções para necessidades pontuais de administrações municipais de pequeno e médio porte, com foco em sistemas de comunicação e gestão de fluxo de trabalho. O carro-chefe da empresa é o Memorando On-line. que substitui os documentos impressos por versões eletrônicas, válidas como documentos oficiais. "Em Canoas, no Rio Grande do Sul, a prefeitura teve uma economia deR$ 60 mil no primeiro ano só com papel", afirma Braga.

Letícia Piccolotto


"É preciso ser resiliente" 
Letícia Piccolotto, fundadora e diretora-presidente da BrazilLAB, hub de inovação que acelerou 26 GovTechs, fala dos desafios e oportunidades para quem vende ao governo.

PEGN: Como vê o momento das GovTechs no país?
Letícia Piccolotto: O mercado está ganhando impulso no país. Uma das razões para isso é a Lei da Inovação, regulamentada no ano passado, que simplificou a aproximação entre startups e governos. Nos últimos dois anos, a BrazilLAB foi procurada por mais de 1,3 mil startups com projetos para o governo, que buscavam aceleração.

PEGN: Quais são os maiores entraves para as startups?
Letícia Piccolotto: O principal é o desconhecimento dos procedimentos corretos para entrar no setor público. Outra barreira é a falta de investimentos. Fundos tradicionais não são muito abertos a investir em empresas que atuam junto aos governos. Para atuar nesse segmento, o empreendedor deve primeiro consolidar seu trabalho junto à iniciativa privada. Não dá para depender só do setor público.

PEGN: Quais são as áreas mais promissoras para GovTechs no Brasil?
Letícia Piccolotto: Há uma forte demanda na área de saúde, porque os governos são pressionados a entregar serviços melhores nessa área. Tanto que várias startups já conseguiram espaço junto a hospitais e seguradoras. Segurança, burocracia e transparência também são áreas deficientes. com oportunidades para os empreendedores.

Fonte: Pequenas Empresas Grandes Negócios

Veja Também:

Inovação no Setor Público Artigo de Letícia Piccolotto no JOTA: Govtechs e as previsões do setor para 2021

Artigo de Letícia Piccolotto no JOTA: Govtechs e as previsões do setor para 2021

Relatório mostra que há 80 startups no Brasil que são consideradas GovTechs relevantes; confira o artigo da CEO do BrazillAB

Inovação no Setor Público Observatório de Inovação no Setor Público (OPSI) da OCDE publica estudo de caso do BrazilLAB

Observatório de Inovação no Setor Público (OPSI) da OCDE publica estudo de caso do BrazilLAB

O estudo de caso do OPSI relata a trajetória e destaca as principais iniciativas do BrazilLAB

Programa de Aceleração Conheça as 58 Startups e PMEs aceleradas pelo BrazilLAB no ano de 2020

Conheça as 58 Startups e PMEs aceleradas pelo BrazilLAB no ano de 2020

Em 2020, o BrazilLAB concluiu 3 ciclos de Aceleração, 2 DemoDays e acelerou 58 Startups e Pequenas e Médias Empresas (PMEs)